O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

27 de outubro de 2019

TRIGÉSIMO DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO C

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

30º domingo do Tempo Comum – 27/10/2019

1-Aprofundando os textos bíblicos:

Eclesiástico 35, 15b – 17.20-22a; Salmo 34(33); 2 Timóteo 4,6-8.16-18; Lucas 18,9-14:

Novamente, neste domingo, a Palavra nos fala da oração. No evangelho há dois modelos de pessoas conhecidas por sua vida e jeito da oração. Os fariseus são grandes conhecedores da doutrina e procuram cumprir ao pé da letra todas as prescrições, às vezes com uma prática apenas externa. A atitude farisaica, feita só de legalismo, pode enganar aos outros e a si mesmo, mas não a Deus. O farisaísmo é vida dupla, a fachada externa esconde a infidelidade interior. A parábola contrapõe dois extremos do tempo de Jesus: o fariseu, expressão máxima da fé e da moralidade, e o coletor de impostos, pecador, afastado de Deus, por causa da própria profissão que colaborava com os dominadores romanos. A oração do fariseu é criticável porque ele se presume justo e porque despreza os outros. A oração do publicano expressa a consciência que tinha de ser ladrão público, evitado por todos. Ele não se compara com os outros, pensa nos próprios pecados e cheio de dor e desespero pede perdão. Mas está sem esperança porque deveria deixar seu próprio trabalho e pagar os prejuízos que causou. A única esperança é a misericórdia de Deus. O fariseu acredita nas próprias ações; o publicano acredita na bondade de Deus. E Jesus declara que este voltou perdoado, mas o fariseu não.

A 1ª leitura traz as condições para que Deus ouça a oração: servir a Deus, viver como Ele quer e ser perseverante. O texto salienta a justiça de Deus que conhece o íntimo das pessoas e não se deixa subornar pelas aparências, preferindo a oração do pobre às grandes ofertas dos ricos de quem vai “quebrar o espinhaço”.

2-Atualizando: A Palavra dirigida a nós, hoje, se torna um julgamento e uma advertência para deixarmos a mentalidade farisaica de falsificar o cristianismo e desprezar os outros. Combater o bom combate, guardar a fé, ser fiel a Deus é obra da misericórdia divina e não fruto de nossos méritos. Jesus nos adverte para que não nos percamos na auto-suficiência. A missão da comunidade cristã é fermentar a humanidade para acolher e viver o projeto de Deus, terminar esta carreira e ganhar a coroa da justiça que nos dará o Senhor.

3-A palavra de Deus na celebração: Como publicanos e pecadores nos prostramos humildemente diante do Senhor, necessitados de sua misericórdia para acolher na fé, o dom que Ele nos oferece gratuitamente no mistério de sua páscoa. Suplicamos que seu Espírito nos ajude a superar a auto-suficiência farisaica que sempre carregamos em nós.

4-Dicas e sugestões: Vejam no Dia do Senhor TC, Ano C p. 207-212.

 

 

 

 

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     Eclesiástico 35, 15b – 17.20-22a; Salmo 34(33); 2 Timóteo 4,6-8.16-18; Lucas 18,9-14:

> 4 - Dicas e Sugestões:   

 

M. do Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez