O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

18 de novembro de 2018

Trigésimo terceiro Domingo do Tempo Comum

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

Trigésimo terceiro Domingo do Tempo Comum – 18/11/2018 - PROFECIA ESCATOLÓGICA

Primeira semana do Saltério

1-Aprofundando os textos bíblicos: Marcos 13,24-32; Daniel 12,1-3; Salmo 16(15); Hebreus 10,11-14.18: O texto de Daniel e o Evangelho são do gênero apocalíptico. Jesus viveu em um tempo marcado por uma efervescência apocalíptica. Esperava-se o Messias, a intervenção direta de Deus na história, o fim do mundo, a era definitiva, a paz para Israel e para o mundo. Jesus, em decorrência de sua encarnação, entra e assume esse jeito de pensar, utiliza as imagens conhecidas pelo povo, fala de forma a ser entendido, da mesma maneira que os brotos da figueira anunciam o verão.

Jesus responde a seus juizes com as palavras de Dn 7,13. No AT a nuvem manifesta a presença divina. O evangelho não se refere a um acontecimento histórico preciso, mas Jesus usa expressões proféticas e apocalípticas de sua época. A expressão “o Filho”, designando Jesus, só aparece neste texto do evangelho. O texto de Dn, escrito no tempo da guerra dos Macabeus (167 + ou – antes de Cristo) não deve ser tomado como fim do mundo, mas o momento em que Deus triunfa sobre o último inimigo que é a morte. A ressurreição era compreendida de modo simbólico e coletivo. A promessa da ressurreição individual surge posteriormente como resposta profética à experiência do martírio.

No Sl 15(16), 5-11 marcado pela confiança e alegria, Deus é a herança extraordinária que guarda nas mãos nossa vida; o Senhor é o conselheiro permanente do fiel, mesmo à noite caminha à sua frente, impedindo qualquer vacilo, enchendo de alegria, não permitindo que entre no caminho da morte, mas ensinando o caminho da vida, em alegria sem fim.

2-Atualizando: Nosso tempo é tão apocalíptico quanto o de Jesus. A Palavra de hoje pede mais atenção aos sinais dos tempos, porque a Palavra do Senhor se encarna na história. Ser cotidianamente vigilantes, andar no caminho do Senhor, é próprio daqueles que têm esperança e são sensíveis ao crescimento do Reino de Deus. A nossa maior preocupação é que “venha a nós o vosso (de Deus) Reino”, ou  que chegue a vós o nosso reinadozinho?

3-A palavra de Deus na celebração: Em cada liturgia celebramos a salvação que Deus nos oferece e que transcende o “hoje” de nossa vida. A presença de Deus  e nossa comunhão com Ele é uma realidade permanente. Demos graças por tudo que Ele nos faz e que ao nosso louvor pascal se unam todas as criaturas, até a chegada do dia eterno de Deus.

4-Dicas e sugestões: Encontram-se no Dia do Senhor, TC, Ano B, p.213-217.

 

M. Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     PROFECIA ESCATOLÓGICA

> 4 - Dicas e Sugestões:   

 

M. Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez