O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

16 de setembro de 2018

VIGÉSIMO QUARTO DOMINGO DO TEMPO COMUM / ANO B

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

Vigésimo quarto Domingo do Tempo Comum

1-Aprofundando os textos bíblicos: Mc  8, 27-35; Is 50, 5-9ª; Salmo 116(114); Tg 2, 14-18:

Na palavra de Deus deste domingo encontramos duas reações de Pedro. O evangelho de hoje se desenrola em Cesaréia de Filipe, ao norte, junto às fontes do rio Jordão. É a residência do tetrarca Filipe e o nome Cesaréia é homenagem ao Imperador de Roma, Tibério. Esse cenário é sugestivo para reconhecer o verdadeiro Messias. Jesus quer provocar uma resposta pessoal e formal de adesão a ele. O Messias é mais que qualquer profeta, pois todos os profetas apontam para ele. Marcos descreve a cegueira de Pedro, a repreensão de Jesus a ele, a exigência do segredo messiânico e as predições da paixão: Ele não sofrerá sozinho, mas também todos os que quiserem segui-lo. O Messias é humano, e como pessoa humana, sujeito ao sofrimento.

No anúncio da paixão ressoa o poema do Servo Sofredor de Isaías 53. O plano do “inimigo/rival – Satã” exclui a dor, a paixão e só aceita um Messias triunfante. Pedro se atreve a repreender Jesus, colocando-se como seguidor desse projeto. Pedro-Satã é uma admoestação para quem deseja seguir Jesus na verdade.

A primeira leitura é trecho do terceiro cântico de Servo, que não se chama de profeta, mas narra sua firme vocação profética: para a palavra, o sofrimento da missão, confiança no Senhor, seu defensor, que o mantém altivo e digno.

Tiago pensa em obras que o cristão realiza no contexto da fé, chave e sentido do seguimento a Jesus. No salmo 116(115) cantamos, lembrando das durezas das quais o Senhor nos livrou, recordamos a confiança e expressamos nosso agradecimento.

2-Atualizando: Deus modela seu profeta: ouvido e língua. O profeta, confiando no Senhor, comparece tranqüilo ao julgamento humano, pois é Deus que demonstra sua inocência. A fé não é um ato intelectual apenas, mas adesão a uma pessoa. A fé que não se traduz em obras é morta. O seguimento de Jesus é grave e exigente, mas é possível. Conservar a vida a todo o custo pode fazer-nos perder o verdadeiro sentido da vida: o sentido é a pessoa de Jesus e o anúncio de sua Palavra. Como a Palavra de Deus ressoa hoje em nossa vida, em nossa prática concreta?

3-A palavra de Deus na celebração: Como conseqüência de sua missão, Jesus enfrentou a morte, livre, consciente e por amor. Na celebração fazemos memória deste mistério, participando também nós, livre e amorosamente com a entrega de nossa vida a serviço do Reino. O Senhor nos entrega seu Espírito que nos torna mais pascais, capazes de vencer a tentação do triunfalismo e do sucesso desmedido, em causa própria.

4-Dicas e sugestões: Encontram-se no Dia do Senhor TC, Ano B, pp.125-128 e um roteiro básico, nas pp.25-34.   

Maria de Lourdes Zavarez e Maria do Carmo de Oliveira

 

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:    

> 4 - Dicas e Sugestões: