REDE CELEBRA 
O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

29 de julho de 2018

DÉCIMO SÉTIM DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

 

> 2 - Atualizando:     ( João 6, 1-15 – 2 Reis 4, 42-44 – Salmo 145(144) – Efésios 4, 1- 6) A partir deste domingo, a liturgia interrompe a leitura do evangelho de Marcos e durante cinco domingos apresenta textos do evangelho de João, onde Jesus aparece como aquele que dirige os acontecimentos. Ele é o sujeito que tem iniciativa da ação de multiplicar os pães de cevada, alimento dos pobres, dom de Deus, superando o milagre de Eliseu. A única multiplicação de pães no Primeiro Testamento é precisamente de pães de cevada, no tempo de Eliseu. O pão à vontade, para todos, abundância em todas as mesas é característica do Reino de Deus. A multiplicação dos pães(1-15) e discurso sobre o Pão da vida(16-66), explicando o seu significado, atestam que Jesus é o Messias/Profeta. As pessoas exclamaram: “Este é o profeta que deve vir ao mundo!” A multiplicação dos pães é o “sinal” central em João. São três sinais antes da multiplicação e três sinais depois, salientando a sua importância. Jesus manda recolher as sobras para que nada se perca. Encheram doze cestos: sinal, memória do gesto de bondade feito por Jesus. Com o Salmo 144/145, 13-16, louvamos a fidelidade de Deus, traduzida em suas obras amorosas: Ele ampara, endireita, dá alimento, abre a mão e sacia. Ele ama os que estão encurvados, os que caem, os oprimidos. O problema da fome é uma questão que atinge a todos nós. O desequilíbrio entre nações ricas e a multidão de pobres é assustador. Como cristãos somos seguidores de Jesus que, a partir da realidade de seu tempo, saciou concretamente pessoas que tinham fome e se revelou como pão. A revelação de Jesus como pão só se realiza no compromisso com a solidariedade, partilha e engajamento em uma nova “multiplicação dos pães”, em escala nacional e mundial. Estamos reunidos para a festa da partilha – da Palavra, do Pão e da vida. A salvação trazida por Jesus atinge a vida com todas as suas necessidades; é total e não aceita que haja fome. Nossa atuação e responsabilidade nas questões sociais, econômicas e políticas são sinais da salvação realizada por Deus hoje. Que ações concretas temos realizado para que haja pão na mesa dos pobres deste país, partilha total como sinal da presença do Reino?

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     textos bíblicos: João 6, 1-15 – 2 Reis 4, 42-44 – Salmo 145(144) – Efésios 4, 1- 6: A palavra de Deus na celebração deste domingo: Necessitados de força, de coragem e perseverança participamos da ceia do Senhor onde se realiza entre nós a multiplicação dos pães – Jesus, o Pão da vida sacia nossa fome e nos convida a abrir nossas mãos e nosso coração para gestos de partilha e solidariedade e vencermos nossas dificuldades e a fome do mundo.

> 4 - Dicas e Sugestões:    Para a celebração: No Dia do Senhor, Ano B p. 97-100 encontram-se dicas para a celebração e o roteiro básico nas páginas 25-34 com alternativa para o momento de ação de graças com partilha de alimento que hoje não poderia faltar.

 

M. do Carmo de Oliveira e Maria de Lourdes Zavarez