O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

25 de março de 2018

CELEBRAÇÃO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

 

SEMANA SANTA

 

Domingo de Ramos e da Paixão

 

1.     Aprofundando os textos bíblicos:

Marcos 11,1-10 – A entrada de Jesus, montado em um burrinho, faz memória do projeto de Deus, onde “o maior” é aquele que serve. A monarquia é simbolizada pelo cavalo. Marcos 14,1-15,47 – A paixão de Jesus, segundo Marcos é um confronto entre Jesus e as autoridades; Judas e a mulher do perfume; Jesus, Judas e os outros discípulos; Jesus e Pedro, Pilatos, Barrabás, a multidão, os soldados, o Cireneu, os crucificadores, os zombadores, o oficial do exército, as mulheres, os amigos; Jesus e o Pai. Cada pessoa reage de acordo com sua opção de estar “por dentro” ou “por fora” da proposta do Reino de Deus. 

Isaías 50,4-7 – Este trecho é chamado de cântico do Servo. A missão do servo é o bem de todo o povo, por isso ele recebe de Iahweh uma língua que conforte os abatidos; um ouvido de discípulo e proteção para enfrentar as provações.

Salmo 22(21) – Jesus rezou este salmo na cruz. Ele é o justo confiante que clama. Deus ouve seu clamor e de todos os pobres injustiçados.

Filipenses 2,6-11 – Jesus é o verdadeiro Servo sofredor que, sem medo, viveu a experiência da limitação e sofrimento humanos até a morte. Deus o recompensou, dando-lhe o nome de Senhor.

 

2.  Atualizando: Examinemos se nosso projeto de vida eclesial e social coincide com o de Jesus/Servo, ou se preferimos um Jesus triunfalista, Senhor sem ser servo comprometido com o poder e o sucesso.

 

3.  A palavra de Deus na celebração:

Em procissão, seguimos os passos de Jesus, fazendo a memória de sua entrada em Jerusalém. Renovando nossa adesão ao seu projeto e, com nossos ramos nas mãos O aclamamos, Senhor da Vida e da história. Escutando e participando do mistério de seu despojamento na Paixão, entramos em comunhão com o mistério de sua glorificação e aceitamos que a páscoa se realize em nossa vida.

 

4. Dicas para a celebração são encontradas no Dia do Senhor Ciclo Pascal p. 153-170, com duas alternativas de roteiro destacando os ramos, a procissão e a leitura da Paixão como elementos simbólicos mais importantes.

 

Quinta Feira-Santa:

 

1-    Aprofundando os textos bíblicos:

João 13,1-15 – O evangelho de João apresenta com o lava-pés, um novo sentido de eucaristia, diferente dos demais evangelhos que narram a instituição. Tomar refeição juntos é sinal de comunhão. Na ceia pascal, Jesus realiza ações que deverão ser normas para a comunidade: despoja-se do manto (sinal de dignidade) e pega o avental. É o Senhor que se torna servo, para dar a vida. Quem lava as mãos eram subalternos e mulheres. O núcleo do amor é o serviço. Comprometer-se com uma nova história, que se constrói a partir da gratuidade do AMOR-SERVIÇO, eis o maior gesto eucarístico que Jesus nos deixou como exemplo.  Êxodo 12,1-8.11-14 – Na origem, a páscoa era festa de pastores. Celebravam o nascimento das ovelhas, na primavera. Na saída da escravidão do Egito foi adaptada e passou a ser festa histórica da libertação. A páscoa marca o início de vida nova, um novo tempo de libertação, vitória sobre o poder opressor. Era de partilha (v. 4), preservação da vida pelo sangue do cordeiro, memória histórica (v. 11). 

Salmo 116B(115)“Senhor, sou teu servo, teu servo, filho de tua serva.”  1 Coríntios 11, 23-26 – Este é o primeiro texto do NT que trata da eucaristia, celebrada dentro da comunidade de Corinto, com todos os problemas e divisões entre ricos e pobres. Era momento de partilha que atualizava (memorial/zikkaron) a partilha de vida do Senhor.

 

2. Atualizando: Em nossas comunidades existem sinais concretos de partilha? Promovemos a vida e caminhamos para a libertação? Os ministérios, cargos, lugares que ocupamos na Igreja são motivados pelo exemplo de Jesus no Lava-pés?

   

 3-  A palavra de Deus na celebração:

Damos graças ao Pai pelos gestos de amor, tirando-nos da escravidão. Aceitamos que o Senhor nos lave os pés e acolhemos o novo mandamento, dispondo-nos a doar a vida pelos irmãos. Participamos da sua ceia, comendo seu corpo doado e bebendo de seu sangue derramado, selando nova aliança.

  

4-Dicas, roteiro e sentido dos vários elementos simbólicos desta celebração que inicia o tríduo pascal, encontram-se no Dia do Senhor Ciclo Pascal ABC p. 177 e 181-189.

 

 

Sexta Feira-Santa:

 

1-    Aprofundando os textos bíblicos:

João 18,1-19,42 – Temas fundamentais: Þ Jesus é o doador da vida nova – o texto começa e termina em um jardim (paraíso/criação). Þ A morte de Jesus é o último sinal do Ev. de João; é a hora de Jesus que revela as opções de cada pessoa. Þ A realeza de Jesus consiste em dar testemunho da verdade que é a fidelidade de Deus ao seu projeto. Þ Jesus é o Cordeiro de Deus – ele morre na hora em que os cordeiros, no templo, eram imolados para a páscoa.

Isaías 52,13-53,12 – “O braço do Senhor” (53,1), solidário com o Servo inocente que sofre, intervém para glorificá-lo.

Salmo 31(30) – Deus é aliado fiel que não falta na hora decisiva e faz justiça.  Hebreus 4,14-16; 5,7-9 – Jesus é o único mediador entre Deus e a humanidade.

 

2. Atualizando: Nossas igrejas continuam sendo fiéis à pessoa, ensinamentos e proposta de Jesus? Será que não estamos empolgados demais com as propostas do mundo moderno individualista?

   

 3-A palavra de Deus na celebração:

Unimos nossos passos à caminhada da paixão do Senhor até sua morte na cruz. Contemplando e adorando o Crucificado, elevamos nossa oração por toda a humanidade resgatada pelo seu sangue redentor. Comungando de seu corpo, passamos do pecado para a vida que jorra da cruz e recebemos força para, no dia-a-dia, vencer a morte e viver a alegria da ressurreição.

 

4-Dicas, sentido e lembretes para esta celebração encontram-se no Dia do Senhor p. 174-175.178 e um roteiro bem detalhado está nas p. 190-206.

 

 

Vigília Pascal:

 

1-Aprofundando os textos bíblicos: As nove leituras desta noite constituíam o último ensinamento aos cristãos, antes do batismo. Elas procuram dar uma visão de toda caminhada de Deus com a humanidade, desde a criação até a nova criação realizada em Jesus Cristo. Em Êxodo 14,15-15,1 temos a consciência e o reconhecimento do povo que deve a Deus a sua liberdade. A libertação de Israel da escravidão anuncia a definitiva libertação em Cristo e a “passagem/páscoa” dos cristãos da morte para a vida. A carta aos Romanos 6,3-11 anuncia que todo batizado é “morto”, “crucificado”, “sepultado”, “ressuscitado”, identificado com Cristo. Salmo 118(117) – Jesus é a expressão máxima do amor e misericórdia de Deus. Marcos 16,1-7 – A narrativa de Marcos é de caráter histórico, culminando no versículo 6. Não há alegria, só incompreensão e medo. A morte/ressurreição de Jesus foi difícil de ser assimilada e aceita como a nova Aliança de Deus com a humanidade.   

 

2-Atualizando: Hoje parece que a morte está vitoriosa matando a esperança da humanidade. Mas, na escuridão da noite e silêncio da morte, o orvalho está impregnando a terra. Amanhã, no domingo, a morte não terá mais poder e será aniquilada. A esperança está viva! Qual é a esperança que mantém todos os crucificados firmes na luta?

 

3-A palavra de Deus na celebração:

Profundamente atingidos pela luz do ressuscitado, fazemos memória dos feitos maravilhosos de Deus na história. Renovamos nossa consagração batismal e participamos da ceia, passando com Cristo, da morte para a vida. Celebramos nesta noite a páscoa em todas as suas dimensões: cósmica, histórica, batismal, eucarística, escatológica...

4-Dicas, lembretes e sentido para esta celebração, ponto alto das festas pascais, encontram-se nas p. 175-176; 178-180 do Dia do senhor, Ciclo pascal ABC e um completo roteiro está nas p. 207-234.

 

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:    

> 4 - Dicas e Sugestões:   

 

M. do Carmo e M. Lourdes Zavarez