O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

29 de outubro de 2017

TRIGÉSIMO DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

~~30º Domingo do Tempo Comum
Dia da juventude
AMAR A DEUS É AMAR O POVO

1- Aprofundando os textos bíblicos: Êxodo 22,20-26; Salmo 17(18);1 Tessalonicenses 1,5c-10; Mateus 22,34-40:
A primeira leitura nos fala nos mandamentos que foram elaborados quando o povo saiu da “casa da escravidão”, numa tentativa de organização de vida e convivência de acordo com o projeto de Deus. É uma lei de liberdade que garante a vida para todos, especialmente os mais desprotegidos: migrantes, viúvas, órfãos, endividados, pobres. O Deus de Israel não aceita a opressão e é defensor dos fracos e oprimidos. Jesus encarna esta posição de Deus e isso incomoda alguns grupos de poderosos de seu tempo; nos domingos anteriores percebemos essa postura de Jesus. No evangelho de hoje tentam armar outra armadilha a Jesus com uma pergunta sobre a lei. Os fariseus contavam 613 preceitos da lei: 365 proibições e 248 mandamentos. Era necessário conhecer e praticar todos eles. Em casos de conflitos era necessário também estabelecer uma hierarquia entre mais ou menos importantes. O profeta Miquéias 6,8 diz: “Foi-te dado a conhecer o que é bom, o que o Senhor exige de ti: nada mais que respeitar o direito, amar a fidelidade, e aplicar-te a caminhar com teu Deus.” Jesus responde unindo Dt 6,5 com Lv 19,18 que falam dos dois amores fundamentais a Deus e ao próximo. A lei e os profetas significam toda Sagrada Escritura.

2. Atualizando: Jesus está muito bem amparado pela tradição, pela Escritura e caminhada de fé de seu povo e não precisa inventar uma resposta. Apenas cita o que o doutor da lei já sabe. É na vivência do segundo mandamento que se comprova a fidelidade ao primeiro e fundamental mandamento. É de amar que se trata em primeiro lugar, não de usar títulos, nem realizar cerimônias ou de cumprir regulamentos. Tudo pode ser muito bom, mas o essencial é a comunhão amorosa e fiel com Deus e atenção permanente às pessoas. São dois momentos de uma mesma atitude: Deus e o próximo: é o mesmo amor, vindo da mesma fonte e a ela voltando. Como vivemos esta Palavra no dia-a-dia?

3. A palavra de Deus na celebração: A reunião litúrgica é a expressão do amor terno e misericordioso de Deus Pai para conosco. E, nós, seus filhos/as amados/as, unidos fraternalmente entre nós e em Cristo, manifestamos nosso amor a Ele, na total entrega de nossa vida aos irmãos. Já no início, bendizemos ao Pai que nos reúne no amor de Cristo. Portanto, na celebração, encontram-se e se realizam os dois movimentos do único mandamento do Amor:


4. Dicas e sugestões: Encontram-se no Dia do Senhor, TC Ano A, p.255-261.
 Fazer uma acolhida bem afetuosa aos jovens e adolescentes da comunidade que poderão neste dia, participar dos vários ministérios.
 O refrão meditativo: “Deus é amor, arrisquemos viver por amor. Deus é amor, Ele afasta o medo”, é bem apropriado hoje, para criar um clima orante no início da celebração.
 Procissão de entrada com a participação dos jovens presentes.
 Um abraço fraterno de acolhida poderá neste domingo ser realizado nos ritos iniciais, congregando os irmãos no amor de Cristo.
 Cuidar para que todas as leituras sejam bem proclamadas, sobretudo o evangelho, ponto alto da liturgia da Palavra.
 Após a homilia, quem preside poderá convidar a comunidade a fazer um rito de adesão à Palavra. Quem preside faz uma breve oração, seguida de um gesto como, beijo na Escritura ou a passagem do livro pela assembléia, enquanto se canta o salmo 119, com o refrão: Lei soberana do Senhor, livre eu serei se praticá-la com amor.”( cf. Guimarães, M & Carpanedo P. Dia do Senhor, Guia para as celebrações das comunidades, TC, Ano A, p. 260)
 Ressaltar toda a liturgia eucarística, memorial do gesto maior de Jesus, vivendo até o fim a entrega de sua vida por amor à humanidade, em obediência amorosa ao Pai. Quem preside faça “na inteireza do ser”, todos os gestos e ações rituais, dando muita unção às orações, sobretudo a Oração Eucarística e aos ritos de comunhão, possibilitando que toda a assembléia viva cada rito como um ato autêntico de amor.
 Cantar as aclamações, o Amém final da Oração Eucarística e o Pai-Nosso.
 Realizar com especial atenção o gesto da fração do pão, que toda a assembléia acompanha cantando o Cordeiro de Deus.
 O Hinário Litúrgico 3, p.258-9 e p.370, faz indicações para o canto de comunhão, retomando o conteúdo do evangelho.
 Antes da bênção final, os jovens poderão cantar um hino mais ligado à sua realidade e ao seu estilo.
 A bênção final, como envio de toda a comunidade em missão, poderá ser cantada, atingindo particularmente os jovens “para que sejam protagonistas na evangelização”(Doc. Aparecida, n.336; CNBB. Doc.Evangelização da Juventude, n. 5)
M.  do Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez

 

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     Textos bíblicos: Êxodo 22,20-26; Salmo 17(18);1 Tessalonicenses 1,5c-10; Mateus 22,34-40:

> 4 - Dicas e Sugestões: