O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

30 de julho de 2017

Décimo sétimo domingo/Tempo Comum – Ano A

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

Décimo sétimo domingo/Tempo Comum – Ano A


1. Aprofundando os textos bíblicos: Mateus 13, 44-52; 1 Reis 3, 5.7-12; Salmo 119 (118); Romanos 8, 28-30:

O evangelho de hoje contém as últimas parábolas e a conclusão do sermão das parábolas sobre o Reinado de Deus. O capítulo 13 de Mateus é paralelo a Marcos 4, mas traz algo novo que são as últimas palavras: “Todo escriba instruído acerca do Reino de Deus pode ser comparado a um dono de casa que tira de seus guardados coisas novas e antigas”. É como uma assinatura da comunidade de Mateus. As pequenas parábolas mostram o valor do reino, pelo qual é preciso tudo sacrificar. A exigência é radical. Cabe a cada pessoa descobrir o tesouro escondido, decidir-se a vender tudo, arriscar-se e viver a alegria da descoberta. Ao aceitar ou rejeitar o grande tesouro do Reino, realiza-se a “cisão definitiva” – tornar-se peixe bom, ou peixe que só serve para o fogo. O Reino de Deus é o paradigma diante do qual, todos os outros valores devem ser relativizados, questionados e julgados. Falando em parábolas, de acordo com a antiga tradição da escritura, Jesus cumpre sua missão de sábio “escriba”, versado no Reinado de Deus, como havia letrados na lei. Esta é a sua especialidade, jeito positivo e popular de “proclamar coisas ocultas”. Tudo o que aprendemos do AT é transformado em Reino de Deus em Jesus Cristo, ou se torna desafio para que o Reino se estabeleça mais firme e universalmente.  A primeira leitura também mostra que o fundamental é viver com sabedoria. A segunda leitura fala do nosso amor a Deus; a iniciativa, porém, não é nossa; é Deus quem chama primeiro, escolhe, destina-nos a tornar imagem de seu Filho, santifica-nos e glorifica. A filiação divina é correlativa da irmandade entre as pessoas. Ser imagem de Jesus assegura a certeza de que não se serve a nenhum ídolo.           

2- Atualizando: As parábolas do tesouro, da pérola e da rede ensinam que o fundamental para quem segue Jesus é a busca do Reino de Deus. Não há nada que seja mais importante, nem a própria igreja. Na hora de nossas escolhas e decisões, é o plano do Pai que prevalece? É a fidelidade ao Reino de Deus que orienta a caminhada nossa e da igreja?

3- A palavra de Deus na celebração: Na celebração vivemos a experiência do Reino e o descobrimos como tesouro escondido, pelo qual estamos dispostos a dar a vida. A eucaristia expressa nossa entrega radical e amorosa com Cristo para que toda a humanidade procure e encontre este tesouro de valor incomparável, gerador de alegria verdadeira.

4-Dicas e sugestões: Vejam no Dia do Senhor, TC, Ano A, p.165-170.
a. Preparar o local da celebração com alguns símbolos ligados à vida do campo e por algum símbolo sugerido pelo texto do evangelho de hoje (tesouro, pérolas, rede).
b. Valorizar a participação, nos vários momentos da celebração, das pessoas que cultivam a terra, ou que já trabalharam no roça.
c. Fazer memória das lutas e conquistas dos trabalhadores rurais e dos sem- terra pela reforma agrária e por melhores condições de vida na zona rural.
d. O evangelho poderá ser encenado ou cantado.
e. É importante manifestar na celebração de hoje especial alegria, porque o mistério do Reino de Deus nos é dado e nós podemos participar dele. Toda a liturgia eucarística poderia ser expressão mais forte desta alegria, com o canto do prefácio, do Santo, das aclamações e do Amém final.
f. Nos ritos finais, dar uma bênção especial para todos os que trabalham na terra.
.

M. Lourdes Zavarez e M. Carmo de Oliveira

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:    

> 4 - Dicas e Sugestões: