O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

9 de abril de 2017

Domingo de Ramos da Paixão do Senhor

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

~Domingo de Ramos da Paixão do Senhor
Segunda semana do Saltério
1. Benção de ramos: Mt 21, 1-11
2- MISSA:
Aprofundando os textos bíblicos:  Mateus 26,14-27,66  – Isaías 50,4-7; Salmo 22 (21) – Filipenses 2,6-11:

O primeiro texto do evangelho está embasado em três citações do AT: chegada do salvador – Is 62,11; entrada humilde do Messias – Zc 9,9; hosana de súplica a aclamação – Salmo 118(117), 25-26. O texto de Zacarias tem três adjetivos identificando o Messias: justo, salvador(vitorioso) e humilde. Mateus mantém somente o terceiro adjetivo. A alusão à jumenta e jumentinho traz à memória o livro de Juízes 5,10, o projeto de uma sociedade igualitária e de paz. Hosana é transcrição de um pedido de socorro ao rei. Tornou-se familiar ao povo devido ao Sl 118 que era recitado no sétimo dia da Festa das Tendas, agitando-se ramos: “Dá, Senhor, dá a vitória! Dá, Senhor, dá o triunfo! (Salvai, Senhor!)” O segundo texto de Mateus traz vários detalhes da narração da ceia ritual da páscoa, realizada entre Jesus e seus/suas discípulos/as: os preparativos, o roteiro com a bênção, os hinos. Não se menciona o cordeiro.
A 2ª leitura é um hino antigo do culto cristão a Jesus Cristo e por Ele ao Pai. O texto faz uma trajetória de descida e subida. A palavra “esvaziou-se” (ekenosen) expressa a atitude de Deus que se encarna na história humana e tornando-se obediente até o extremo da cruz. Jesus é o servo fiel, o justo que assumiu radicalmente as exigências de sua missão. É o exemplo para todos os que o desejam caminhar da injustiça à justiça, da escravidão à libertação, da miséria humana à experiência da misericórdia divina, das trevas à luz, do sofrimento à glória, da morte à vida.
2- Atualizando: O despojamento é o caminho para quem quer servir as demais pessoas. Esse foi o caminho seguido pelo mestre. Uma Igreja que não se esvazia dos privilégios históricos e sociais, e adquire “língua de discípulo” não está em condições de mostrar o caminho para Deus.
3-A palavra de Deus na celebração: Em procissão, seguimos os passos de Jesus, fazendo a memória de sua entrada em Jerusalém. Renovamos nossa adesão ao seu projeto e, com nossos ramos nas mãos, O aclamamos, Senhor da Vida e da história. Escutando e participando do mistério de seu despojamento na Paixão, entramos em comunhão com o mistério de sua glorificação e aceitamos que a páscoa se realize em nossa vida.
4-Dicas e sugestões: Vejam no Dia do Senhor, Ciclo Pascal, ABC p.153-170.

   M. Lourdes Zavarez e M. Carmo de Oliveira

 

 

> 2 - Atualizando:     (Segunda semana do Saltério) 1. Benção de ramos: Mt 21, 1-11 2- MISSA: Mateus 26,14-27,66 – Isaías 50,4-7; Salmo 22 (21) – Filipenses 2,6-11: O despojamento é o caminho para quem quer servir as demais pessoas. Esse foi o caminho seguido pelo mestre. Uma Igreja que não se esvazia dos privilégios históricos e sociais, e adquire “língua de discípulo” não está em condições de mostrar o caminho para Deus. Em procissão, seguimos os passos de Jesus, fazendo a memória de sua entrada em Jerusalém. Renovamos nossa adesão ao seu projeto e, com nossos ramos nas mãos, O aclamamos, Senhor da Vida e da história. Escutando e participando do mistério de seu despojamento na Paixão, entramos em comunhão com o mistério de sua glorificação e aceitamos que a páscoa se realize em nossa vida.

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     (Segunda semana do Saltério) 1. Benção de ramos: Mt 21, 1-11 2- MISSA: Mateus 26,14-27,66 – Isaías 50,4-7; Salmo 22 (21) – Filipenses 2,6-11: O primeiro texto do evangelho está embasado em três citações do AT: chegada do salvador – Is 62,11; entrada humilde do Messias – Zc 9,9; hosana de súplica a aclamação – Salmo 118(117), 25-26. O texto de Zacarias tem três adjetivos identificando o Messias: justo, salvador(vitorioso) e humilde. Mateus mantém somente o terceiro adjetivo. A alusão à jumenta e jumentinho traz à memória o livro de Juízes 5,10, o projeto de uma sociedade igualitária e de paz. Hosana é transcrição de um pedido de socorro ao rei. Tornou-se familiar ao povo devido ao Sl 118 que era recitado no sétimo dia da Festa das Tendas, agitando-se ramos: “Dá, Senhor, dá a vitória! Dá, Senhor, dá o triunfo! (Salvai, Senhor!)” O segundo texto de Mateus traz vários detalhes da narração da ceia ritual da páscoa, realizada entre Jesus e seus/suas discípulos/as: os preparativos, o roteiro com a bênção, os hinos. Não se menciona o cordeiro. A 2ª leitura é um hino antigo do culto cristão a Jesus Cristo e por Ele ao Pai. O texto faz uma trajetória de descida e subida. A palavra “esvaziou-se” (ekenosen) expressa a atitude de Deus que se encarna na história humana e tornando-se obediente até o extremo da cruz. Jesus é o servo fiel, o justo que assumiu radicalmente as exigências de sua missão. É o exemplo para todos os que o desejam caminhar da injustiça à justiça, da escravidão à libertação, da miséria humana à experiência da misericórdia divina, das trevas à luz, do sofrimento à glória, da morte à vida.

> 4 - Dicas e Sugestões:    Vejam no Dia do Senhor, Ciclo Pascal, ABC p.153-170.

 

M. Lourdes Zavarez e M. Carmo de Oliveira