O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

26 de fevereiro de 2017

Oitavo Domingo do Tempo Comum – ANO A – 2017

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

Oitavo Domingo do Tempo Comum – ANO A – 2017

1- Aprofundando os textos bíblicos:
 
Mateus 6, 24-34; Isaías 49,14-15; Salmo 61(62); 1 Cor 4,1-5:

O deus do dinheiro e da cobiça é Mamon. A ganância é idolatria. Quem só pensa em acumular não possui os bens, mas é possuído por eles, dominado e escravizado pela riqueza, diante de quem está curvado. A preocupação em acumular, chega a deteriorar a saúde do ser humano.
Nosso Deus verdadeiro é doador generoso e nos ensina a doar, a partilhar. A correta relação com os bens também nos ajuda a uma atitude de confiança diante de Deus e das outras pessoas. O “Reinado de Deus e a sua justiça” promovem relação harmoniosa entre os seres humanos e entre a humanidade e a natureza. As aves do céu, os lírios dos campos não deturpam a própria natureza. Jesus demonstra sua sensibilidade contemplativa, mas revela uma exigência atualíssima para aqueles que o seguem. É necessário mudar o objeto de nossas preocupações. Não a toda ganância, e sim a busca do Reinado de Deus sobre todas as pessoas e sobre toda a natureza, todo o pluriniverso criado. Deus nos ama com amor de mãe.
A palavra de Deus em Isaías Júnior é um consolo para os exilados da Babilônia e também para os pobres que haviam permanecido na Palestina, em tempo de desânimo, perda de fé e de esperança. O povo estava sem Templo, sem rei e sem lideranças; tudo parecia perdido e o povo sentia-se abandonado. O profetismo vem consolar o povo, afirmando que o amor de Deus supera todo amor e bondade. Se Deus ama o povo que sofre debaixo da ganância dos opressores, há sempre uma saída, há esperança de que a justiça reinará. A construção de um mundo novo, sociedade onde existam menos desigualdades é possível e o dia de amanhã não causará preocupações, mas haverá possibilidades e alternativas da humanidade se aproximar da vida sábia das aves e dos lírios.

2- Atualizando: Viver a justiça do Reinado de Deus é deixar-se guiar pela palavra de Jesus. Ele não ensina uma vida de “sombra e água fresca”, mas a luta pela justiça que é o bem para toda a humanidade e toda a criação. A palavra de Jesus é muito atual para esse tempo de desrespeito pela vida humana, pelos animais, pelas matas, pelas águas, pelo ar, pela natureza toda. Viver de acordo com as regras naturais é mais de acordo com o projeto de Deus. O que a ganância humana criou não se compara com a sabedoria da natureza, criada e mantida por Deus.

3- A palavra de Deus na celebração: A celebração de hoje nos ajuda a assumir a inteireza de nosso ser e a pedir a Deus, Mãe Amada, para não vivermos divididos entre dois senhores. Na Eucaristia somos alimentados como antecipação do carinho que sempre nos dispensa e nos dispensará para sempre.


4- Dicas e sugestões:
a) Neste tempo litúrgico celebramos a ação pascal do Senhor em nosso cotidiano. A Recordação da Vida nos ritos iniciais traz presente os acontecimentos em que a comunidade reconhece a páscoa se realizando em sua vida. Por isso ao invés de apenas fazer leitura de intenções, criar espaço para que a comunidade participe com fatos do dia-a-dia da comunidade.


b) Demos também destaque à assembleia, como sinal do Ressuscitado, assim como à Palavra e à ceia eucarística, sacramentos de sua presença real, ou bênção e partilha de alimento nas comunidades, onde se celebra o domingo ao redor da Palavra de Deus.


c) Para dar ao domingo a tônica de páscoa semanal, é bom valorizar o Círio Pascal e o rito da bênção e aspersão com água, recordando o batismo, substituindo o ato penitencial. Segue uma sugestão cf. Dia do Senhor, TC Ano A, p. 400:


d) Bênção da água (junto à fonte batismal, quem preside convida a assembleia a ficar de pé:)


D – Irmãos e irmãs, bendigamos ao Deus da vida por esta água e peçamos que ele renove em nossa vida a graça do santo batismo. (Todos rezam em silêncio. Quem preside conclui:)
D- Deus de bondade e compaixão, tu nos deste a irmã água, fonte de toda vida, e quiseste que, por ela, recebêssemos o batismo que nos consagra a ti. Abençoa esta água, que ela nos proteja neste dia a ti consagrado, e renove, no mais profundo de cada um de nós, a fonte viva de tua graça, para que, livres de todos os males, possamos caminhar sempre em tuas estradas e praticar aquilo que é agradável aos teus olhos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém!
Canto de aspersão: Banhados em Cristo... ou Canta, meu povo...
(Quem preside conclui:)
D- Que o Senhor faça brilhar sobre nós sua face e, por esta celebração, nos confirme em seus caminhos. Amém.
5. Preparar bem as leituras, o canto do salmo e a homilia para realizar uma proclamação e atualização da Palavra que sejam sinais sacramentais da presença de Cristo que fala a seu povo reunido.
6. Escolher cantos que expressem o mistério celebrado. O Hinário Litúrgico 3 da CNBB é uma referência valiosa para os cantos deste tempo. Assim, para o momento da comunhão, o H3 pág. 250-1, indica um canto bem apropriado, ligado ao evangelho deste domingo.

Maria do Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez

 

 

> 2 - Atualizando:     Mateus 6, 24-34; Isaías 49,14-15; Salmo 61(62); 1 Cor 4,1-5: Viver a justiça do Reinado de Deus é deixar-se guiar pela palavra de Jesus. Ele não ensina uma vida de “sombra e água fresca”, mas a luta pela justiça que é o bem para toda a humanidade e toda a criação. A palavra de Jesus é muito atual para esse tempo de desrespeito pela vida humana, pelos animais, pelas matas, pelas águas, pelo ar, pela natureza toda. Viver de acordo com as regras naturais é mais de acordo com o projeto de Deus. O que a ganância humana criou não se compara com a sabedoria da natureza, criada e mantida por Deus. 3- A palavra de Deus na celebração: A celebração de hoje nos ajuda a assumir a inteireza de nosso ser e a pedir a Deus, Mãe Amada, para não vivermos divididos entre dois senhores. Na Eucaristia somos alimentados como antecipação do carinho que sempre nos dispensa e nos dispensará para sempre.

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     Mateus 6, 24-34; Isaías 49,14-15; Salmo 61(62); 1 Cor 4,1-5: O deus do dinheiro e da cobiça é Mamon. A ganância é idolatria. Quem só pensa em acumular não possui os bens, mas é possuído por eles, dominado e escravizado pela riqueza, diante de quem está curvado. A preocupação em acumular, chega a deteriorar a saúde do ser humano. Nosso Deus verdadeiro é doador generoso e nos ensina a doar, a partilhar. A correta relação com os bens também nos ajuda a uma atitude de confiança diante de Deus e das outras pessoas. O “Reinado de Deus e a sua justiça” promovem relação harmoniosa entre os seres humanos e entre a humanidade e a natureza. As aves do céu, os lírios dos campos não deturpam a própria natureza. Jesus demonstra sua sensibilidade contemplativa, mas revela uma exigência atualíssima para aqueles que o seguem. É necessário mudar o objeto de nossas preocupações. Não a toda ganância, e sim a busca do Reinado de Deus sobre todas as pessoas e sobre toda a natureza, todo o pluriniverso criado. Deus nos ama com amor de mãe. A palavra de Deus em Isaías Júnior é um consolo para os exilados da Babilônia e também para os pobres que haviam permanecido na Palestina, em tempo de desânimo, perda de fé e de esperança. O povo estava sem Templo, sem rei e sem lideranças; tudo parecia perdido e o povo sentia-se abandonado. O profetismo vem consolar o povo, afirmando que o amor de Deus supera todo amor e bondade. Se Deus ama o povo que sofre debaixo da ganância dos opressores, há sempre uma saída, há esperança de que a justiça reinará. A construção de um mundo novo, sociedade onde existam menos desigualdades é possível e o dia de amanhã não causará preocupações, mas haverá possibilidades e alternativas da humanidade se aproximar da vida sábia das aves e dos lírios. A palavra de Deus na celebração: A celebração de hoje nos ajuda a assumir a inteireza de nosso ser e a pedir a Deus, Mãe Amada, para não vivermos divididos entre dois senhores. Na Eucaristia somos alimentados como antecipação do carinho que sempre nos dispensa e nos dispensará para sempre.

> 4 - Dicas e Sugestões:    1. Neste tempo litúrgico celebramos a ação pascal do Senhor em nosso cotidiano. A Recordação da Vida nos ritos iniciais traz presente os acontecimentos em que a comunidade reconhece a páscoa se realizando em sua vida. Por isso ao invés de apenas fazer leitura de intenções, criar espaço para que a comunidade participe com fatos do dia-a-dia da comunidade. 2. Demos também destaque à assembleia, como sinal do Ressuscitado, assim como à Palavra e à ceia eucarística, sacramentos de sua presença real, ou bênção e partilha de alimento nas comunidades, onde se celebra o domingo ao redor da Palavra de Deus. 3. Para dar ao domingo a tônica de páscoa semanal, é bom valorizar o Círio Pascal e o rito da bênção e aspersão com água, recordando o batismo, substituindo o ato penitencial. Segue uma sugestão cf. Dia do Senhor, TC Ano A, p. 400: 4. Bênção da água (junto à fonte batismal, quem preside convida a assembleia a ficar de pé:) D – Irmãos e irmãs, bendigamos ao Deus da vida por esta água e peçamos que ele renove em nossa vida a graça do santo batismo. (Todos rezam em silêncio. Quem preside conclui:) D- Deus de bondade e compaixão, tu nos deste a irmã água, fonte de toda vida, e quiseste que, por ela, recebêssemos o batismo que nos consagra a ti. Abençoa esta água, que ela nos proteja neste dia a ti consagrado, e renove, no mais profundo de cada um de nós, a fonte viva de tua graça, para que, livres de todos os males, possamos caminhar sempre em tuas estradas e praticar aquilo que é agradável aos teus olhos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém! Canto de aspersão: Banhados em Cristo... ou Canta, meu povo... (Quem preside conclui:) D- Que o Senhor faça brilhar sobre nós sua face e, por esta celebração, nos confirme em seus caminhos. Amém. 5. Preparar bem as leituras, o canto do salmo e a homilia para realizar uma proclamação e atualização da Palavra que sejam sinais sacramentais da presença de Cristo que fala a seu povo reunido. 6. Escolher cantos que expressem o mistério celebrado. O Hinário Litúrgico 3 da CNBB é uma referência valiosa para os cantos deste tempo. Assim, para o momento da comunhão, o H3 pág. 250-1, indica um canto bem apropriado, ligado ao evangelho deste domingo.

 

Maria do Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez