O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

29 de janeiro de 2017

Quarto Domingo do Tempo Comum – Ano A - quarta semana do Saltério

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

Quarto Domingo do Tempo Comum – Ano A - (BEM-AVENTURANÇAS)

  1. Aprofundando os textos bíblicos: Mateus 5, 1-12a – Sofonias 2,3; 3,12-13 – Salmo 146 (145) – 1 Coríntios 1,26-31:

O sermão da montanha é a constituição do novo povo de Deus. A bem-aventurança, síntese das outras é a primeira: “Felizes os pobres de espírito, porque o reinado de Deus lhes pertence.” O acréscimo “de espírito”, que não encontramos em Lucas 6, de acordo com a mentalidade bíblica, quer expressar dinamismo – espírito é vento, sopro, força vital. É o aspecto dinâmico da pessoa. “Pobre de espírito” designa maior exigência do que simples desprendimento em relação aos bens materiais. Trata-se de viver em total disponibilidade ao projeto de Deus. É a atitude de quem se reconhece filho e filha de Deus e portanto irmã e irmão de todas as outras pessoas que possuem direitos iguais. Ser pobre de espírito é seguir Jesus em seu projeto de igualdade, viver a solidariedade preferencial com os pobres e oprimidos, optar por um estilo simples de vida. As sete bem-aventuranças seguintes aprofundam e enriquecem a primeira, referindo-se a atitudes de quem segue Jesus, o pobre que não tinha onde “reclinar a cabeça”. A noção de pobre de espírito vem de Sofonias que se refere aos anawim que buscam a Deus e uma terra de justiça para os pobres. Os pobres, “resto de Israel”, mantêm viva a Aliança e a espera do Messias, Deus no meio de seu povo.

2- Atualizando:  A comunidade cristã é herdeira desse “resto de Israel”, pobres de espírito, possuidora do dinamismo do sopro de Deus, como ouvimos na leitura da carta aos Coríntios. Deus escolheu os últimos da sociedade para torná-los seus discípulos e discípulas. Somos abertos à Palavra de Deus, solidários com os excluídos e mais pobres?

3- A palavra de Deus na celebração: Como a multidão na montanha, recebemos hoje, as bem-aventuranças do Reino propondo-nos valores, atitudes e sentimentos que moveram Jesus, o bem-aventurado do Pai. Com Ele, suplicamos o pão da consolação, da misericórdia, da justiça e da paz.

4- Dicas e sugestões:Vejam no Dia do Senhor, TC Ano A p. 75-80.

M. Carmo de Oliveira e Lourdes Zavarez

 

 

> 2 - Atualizando:     Textos bíblicos: Mateus 5, 1-12a – Sofonias 2,3; 3,12-13 – Salmo 146 (145) – 1 Coríntios 1,26-31: O sermão da montanha é a constituição do novo povo de Deus. A bem-aventurança, síntese das outras é a primeira: “Felizes os pobres de espírito, porque o reinado de Deus lhes pertence.” O acréscimo “de espírito”, que não encontramos em Lucas 6, de acordo com a mentalidade bíblica, quer expressar dinamismo – espírito é vento, sopro, força vital. É o aspecto dinâmico da pessoa. “Pobre de espírito” designa maior exigência do que simples desprendimento em relação aos bens materiais. Trata-se de viver em total disponibilidade ao projeto de Deus. É a atitude de quem se reconhece filho e filha de Deus e portanto irmã e irmão de todas as outras pessoas que possuem direitos iguais. Ser pobre de espírito é seguir Jesus em seu projeto de igualdade, viver a solidariedade preferencial com os pobres e oprimidos, optar por um estilo simples de vida. As sete bem-aventuranças seguintes aprofundam e enriquecem a primeira, referindo-se a atitudes de quem segue Jesus, o pobre que não tinha onde “reclinar a cabeça”. A noção de pobre de espírito vem de Sofonias que se refere aos anawim que buscam a Deus e uma terra de justiça para os pobres. Os pobres, “resto de Israel”, mantêm viva a Aliança e a espera do Messias, Deus no meio de seu povo.

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     A comunidade cristã é herdeira desse “resto de Israel”, pobres de espírito, possuidora do dinamismo do sopro de Deus, como ouvimos na leitura da carta aos Coríntios. Deus escolheu os últimos da sociedade para torná-los seus discípulos e discípulas. Somos abertos à Palavra de Deus, solidários com os excluídos e mais pobres? Como a multidão na montanha, recebemos hoje, as bem-aventuranças do Reino propondo-nos valores, atitudes e sentimentos que moveram Jesus, o bem-aventurado do Pai. Com Ele, suplicamos o pão da consolação, da misericórdia, da justiça e da paz.

> 4 - Dicas e Sugestões:    Vejam no Dia do Senhor, TC Ano A p. 75-80.

 

M. Carmo de Oliveira e Lourdes Zavarez