O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

15 de novembro de 2020

Trigésimo terceiro Domingo do Tempo Comum - Ano A

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

Trigésimo terceiro Domingo do Tempo Comum –

15/11/2020 – (1ª. semana do saltério)

 

 

  1. Aprofundando os textos bíblicos: Pr 31, 10-13.19-20.30-31; Sl 127 (128); 1 Ts 5, 1-6; Mt 25, 14-30:

Mateus 25 tem o enfoque do Reino de Deus. É chamado discurso escatológico: começa com a parábola das dez jovens, em festa de casamento, onde não se fala da noiva, mas do noivo que demora chegar (1-13). Os vers. 14-30  enfocam o mundo da economia, também nos ajudam a entender o mistério do Reinado de Deus. A expectativa e vigilância se convertem em responsabilidade pela transformação do mundo. Manter-se vigilante é sentir-se responsável pelo Reino. A responsabilidade é proporcional ao “talento” recebido para por a serviço. O servo infiel não produz fruto por medo e pela idéia que ele tem de Deus. O medo leva ao fatalismo e à omissão. A imagem de um Deus severo, cruel e castigador, paralisa a pessoa. Jesus apresenta Deus como misericórdia e bondade. O servo mau pertence ao reino da esterilidade, e seus talentos permanecem na escuridão; não é sábio, procura a segurança em lugar errado; é um conservador, não enfrenta os desafios da luta pela transformação. A espera do “patrão” se dá no serviço, no dinamismo, na fidelidade ativa. A parábola dos talentos não fala da parusia, mas do prazo que nos é dado para fazer frutificar o que recebemos de Deus.

 

A 1ª leitura é trecho de um poema acróstico, com 22 versos começando com uma letra do alfabeto hebraico. Bom seria ler o poema todo. É o elogio de uma mulher, exemplo de pessoa sábia ideal: sua administração e sabedoria são completas. É sabedoria em ação; o homem depende dela; tem capacidade para os negócios; ela é o contrário da pessoa preguiçosa, insensata e sem responsabilidade de que o evangelho nos fala. O verso 26, que não está especificado para a liturgia de hoje, diz que o ensinamento da mulher reúne a sabedoria e a amabilidade, a misericórdia, que é o conceito central da teologia da Aliança nos profetas. O capítulo 31 é mistura de ensinamento e exortação profética. O marido e os filhos são discípulos da sabedoria; aceitam os ensinamentos da Lei, dos profetas e dos sapienciais.

  1. Atualizando: Hoje, na situação em que vivemos, como ser filhos da sabedoria, da luz e do dia?
  2. A palavra de Deus na celebração: Como assembléia litúrgica, acolhemos o convite do Senhor para “participar de sua alegria”, da vitória da vida que vence a morte. A Eucaristia nos renova no compromisso de frutificar, em nosso dia-a-dia, como fiéis trabalhadores/as de seu Reino.  
  3. Dicas e sugestões: Encontram-se no Dia do Senhor TC Ano A, p.277-282.

 

 

> 2 - Atualizando:     A parábola dos talentos não fala da parusia, mas do prazo que nos é dado para fazer frutificar o que recebemos de Deus.

> 3 - A palavra de Deus na celebração:    

> 4 - Dicas e Sugestões:   

 

M. do Carmo de Oliveira e M. lourdes Zavarez