O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

8 de novembro de 2020

Trigésimo segundo domingo do Tempo Comum

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

32º Domingo Do Tempo Comum

8 de Novembro de 2020

 

Primeira Leitura: Sb 6,12-16
Salmo: 62,2-8 (R.2b)
Segunda Leitura: 1Ts 4,13-18
Evangelho: Mt 25,1-13

 

Evangelho

Para entendemos a perícope de hoje é necessário situá-la entre as parábolas do mordomo (24,45-51) e dos talentos (25,14-30).

As três parábolas que percorrem o texto de Mt 24,45 a Mt 25,30 são estreitamente articuladas a partir de uma abordagem temática e lexical. A primeira (24,45ss.) é aquela do servo “fiel” (pistós) e “prudente” (phrónimos). Estes dois adjetivos formam as duas coordenadas da vigilância messiânica, segundo Mateus.

segunda parábola, a das virgens, aprofunda o aspecto da “prudência”. A terceira, a dos talentos, põe o acento sobre a “fidelidade”.

O convite que está ao fim da parábola das dez virgens oferece a chave para seu entendimento: “Vigiai porque não sabeis o dia nem a hora” (v.13).

No Evangelho segundo Mateus (Mt 25,1-13), transparece a inteligência de quem sabe que a parusia demora e, não obstante essa demora, refulge a fidelidade de quem permanece obediente,

O problema abordado é aquele da parusia que custa a chegar, dos tempos mais longos do que previstos: “Atrasando o noivo” (25,5).

A parábola das dez virgens reforça, ainda, o tema dos “dois caminhos” (cf.7,13ss.): cinco virgens são prudentes, mas cinco são insensatas. A alternativa com a qual é confrontado/a o/a leitor/a reforça o caráter exortativo da parábola e lhe dá uma grande coerência estrutural.

Em que consiste a “prudência”? Em levar em consideração a possibilidade de uma longa espera, sem desanimar na fidelidade à própria tarefa.

O texto nos mostra um estranho matrimônio que vê dez virgens irem ao encontro do esposo e algumas delas entrarem no quarto nupcial, enquanto não se diz nada a respeito da noiva. Em uma festa real de matrimônio, as virgens teriam acompanhado em cortejo a noiva, não o noivo.

Três elementos chave da parábola não se deixam explicar senão em termos alegóricos:

a) O “noivo” (ho nýmphios) ao qual as virgens vão ao encontro é claramente uma metáfora para o Messias;

b) A noiva não é nunca mencionada, e tudo faz pensar que as dez “virgens” (parthénoi) a representem corporativamente, ou seja, são figura da Igreja, que na globalidade de seus membros é chamada “esposa” do Messias;

c) O detalhe do “cochilo” e do “sono” é imprescindível na interpretação da parábola, visto que prepara a surpresa da vinda no coração da noite e também porque sublinha eficazmente a duração da espera.

Mateus esclarece desde o início que tal como as virgens prudentes e as insensatas, a Igreja é um corpo misto. A diferença entre elas não é de natureza moral, visto que “todas acabaram dormindo” (v.5). A diferença, basicamente, é uma questão de inteligência, de cálculo: haver previsto ou não a possibilidade de atraso do noivo e estar equipados/as adequadamente.

O erro das insensatas é somente não estarem prevenidas com óleo. Uma desatenção, uma banal distração que, no entanto, no momento crucial da história, não pode ser remediada.

A parábola nos deixa uma lição de inteligência sobre o saber como lidar com um tempo longo.

 

Relacionando com os outros textos

Sabedoria da primeira leitura, é muito mais que uma doutrina. Ela designa a verdade divina que, irradiada, apela ao interior da pessoa humana. A Sabedoria (o noivo/Messias do Evangelho), se deixa encontrar, se dá a conhecer e, mais que isso, ela mesma busca os que a merecem. E quem a merece? Quem por ela vigia com prudência.

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     1ª Leitura - Sb 6,12-16 A sabedoria é encontrada por aqueles que a procuram. Salmo - Sl 62,2.3-4.5-6.7-8 (R. 2b) R. A minh\'alma tem sede de vós, e vos deseja, ó Senhor. 2ª Leitura - 1Ts 4,13-18 Evangelho - Mt 25,1-13 - O noivo está chegando. Ide ao seu encontro.

> 4 - Dicas e Sugestões:   

 

M. do Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez