O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

2 de agosto de 2020

DÉCIMO OITAVO DOMINGO TC. ano A - celebração de vitória do amor de Deus que ressuscita Jesus

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

DÉCIMO OITAVO Domingo do Tempo Comum – ANO A

 

  1. Aprofundando os textos bíblicos: Mateus 14, 13-21; Isaías 55,1-3; Salmo 145(144); Romanos 8, 35.37-39:

O texto do evangelho de hoje situa-se no contexto da morte de João Batista. Ao saber de sua morte, Jesus retira-se, vai ao deserto. Deserto tido como lugar da tentação, converte-se aqui no lugar da revelação, como foi no Êxodo – deserto, caminho de Israel para a Terra da Promessa, lugar em que Deus fez prodígios e deu o maná. Jesus é o novo Moisés e o novo Eliseu (2 Rs 4, 42-44). O v. 19 retoma a prática litúrgica: ação de graças, fração do pão, distribuição pelos discípulos. O diálogo com os discípulos os transforma em testemunhas e em modestos colaboradores que primeiro têm de reconhecer a própria limitação e insuficiência e depois desprender-se do pouco que possuem. Simbólico é o número de doze cestos com as sobras. Doze lembra a organização tribal do Povo de Israel: sem rei, sem palácio, sem burocracia hierarquizada; organização igualitária, leis a serviço da vida, poder partilhado, solidariedade econômica mútua, fé no Deus Libertador; organização a partir da base, com um novo jeito de conviver. Jesus anunciou como centro de seu projeto o Reino de Deus, como a proposta de uma sociedade anunciada por Is 55, onde o dinheiro não tem valor e onde a Aliança com Deus é perpétua.

A segunda leitura deste domingo é um hino de uma celebração de vitória do amor de Deus que ressuscita Jesus. O ponto central do cap. 8 é o v. 35, onde se completam 7 perguntas que antecedem 7 dificuldades que podem nos separar do amor de Cristo: tribulação, angústia, perseguição, fome, miséria, perigo, espada. A lista é uma síntese dos ataques, do martírio que sofrem dos poderosos os seguidores de Jesus. A vitória de Jesus, é vitória de seus seguidores.

O livro dos Cantares diz que “o amor é forte como a morte” (8,6). A carta aos romanos diz que o amor é mais forte que a morte. Deus nos ama para além da morte; amor que ressuscita.

2- Atualizando: A multiplicação dos pães é narrada seis vezes nos evangelhos. A nós, cristãos, compete completar com a sétima multiplicação para que seja um número biblicamente perfeito. Como igreja, temos enfrentado a fome que assola multidões neste mundo, de acordo com o Espírito de Cristo?

3- A palavra de Deus na celebração: Somos um povo faminto de Deus, faminto de justiça, solidariedade, paz ... Cheio de compaixão o Senhor não nos deixa caminhar com fome. Ele nos reúne, abençoa o pouco que temos e nos oferece o banquete pascal, alimentando-nos com o pão da vida. Na alegria da partilha que nos sacia, assumimos a missão de contribuir com a redução da fome de tantos.

4- Dicas e sugestões: Vejam no Dia do Senhor, TC Ano A, p.171-177.

1) O gesto a ser valorizado neste domingo é a partilha do pão. Este gesto prolongará o sentido da comunhão no Corpo do Senhor. A família, ou comunidade poderia fazer uma refeição fraterna, com bênção e partilha do pão.

3) Sugestão de bênção do pão, inspirada na bênção judaica do pão:

    D. Bendito sejas, Senhor, nosso Deus, que sustentas o mundo com amor, graça e misericórdia. De tuas mãos vem o pão para toda criatura. Bendito sejas, Senhor, que tudo e a todos sustentas!

               T. Bendito sejas, Senhor! 

               D. Bendito sejas, Senhor, nosso Deus, que abres a mão e dás generosamente de comer a todos os seres, sem distinção. Bendito sejas, Senhor, que trazes vigor a teu povo e o abençoas com tua paz!

              T – Bendito sejas, Senhor!

                                               (cf. Revista de Liturgia, 136, jul/ago 1996, p. 16)

Maria de Lourdes Zavarez e M. Carmo de Oliveira

 

 

> 2 - Atualizando:     Jesus anunciou como centro de seu projeto o Reino de Deus, como a proposta de uma sociedade anunciada por Is 55, onde o dinheiro não tem valor e onde a Aliança com Deus é perpétua.

> 3 - A palavra de Deus na celebração:     Mateus 14, 13-21; Isaías 55,1-3; Salmo 145(144); Romanos 8, 35.37-39:

> 4 - Dicas e Sugestões:   

 

M. do Carmo de Oliveira e M. Lourdes Zavarez