O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

A PALAVRA DE DEUS NO DIA DO SENHOR

6 de agosto de 2017

TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR

Imprimir Voltar

1 -Aprofundando os textos bíblicos:     

18º Domingo do Tempo Comum – Ano A
06/08/2017 – Transfiguração do Senhor

1-Aprofundando os textos bíblicos: Mt 17, 1-9; Daniel 7, 9-10.13-14; Salmo 96(97); 2 Pedro 1, 16-19:

No evangelho, Jesus revela sua missão em vista do Reino. Os discípulos não compreendiam a morte de cruz e que o Mestre devia sofrer para entrar na glória. O Tabor (ou Hermon) é como o novo Horeb, ou o Sinai de Moisés e Elias. Moisés simboliza a Primeira Aliança; Elias, a profecia. Ambos receberam revelações extraordinárias de Deus. Agora são testemunhas da glória de Jesus. Trans-figurar corresponde a trans-formar. Jesus mostra aos discípulos sua glória, levando-os a experimentar antecipadamente a ressurreição. O Pai declara que Jesus, Filho do Homem, carpinteiro de Nazaré, é o Filho amado, a quem se deve escutar e seguir. A experiência das discípulas e dos discípulos de Jesus é pós-pascal, e pode estar no contexto da Festa das Tendas, da liturgia judaica.
Na sugestão de Pedro estão presentes o projeto igualitário e a profecia, que caracterizam o projeto do Reino. A “Tenda” verdadeira é a própria nuvem da presença de Deus que está em Cristo Jesus. Pedro fala não apenas do fato que viu, mas anuncia o sentido dessa experiência em sua vida.
A primeira leitura traz uma palavra de esperança ao povo fiel. O Ancião é o próprio Deus; os livros, onde são registradas as ações humanas, são abertos para o julgamento. A fera a ser julgada é o império e o misterioso filho do homem é o povo fiel. O Segundo Testamento vê Jesus como essa pessoa que vem do céu, como Senhor do universo para instaurar o Reino de Deus. Tudo proclama sua justiça e os povos contemplam a sua glória. (Sl 97).

2. Atualizando:
Na transfiguração Jesus revela-nos o sentido da vida e da morte. Somos convocadas/os a entrar no mesmo processo de Jesus, em lenta transfiguração, até que sejamos plenamente filhos de Deus, Senhor da Luz. Num mundo em que predominam trevas de corrupção, de violência, de ganância, de mentira e de engano, o mistério da transfiguração nos permite vislumbrar o que acontecerá, à medida que nós, corpo eclesial do Senhor, tivermos a mesma atitude que o levou à entrega total da vida: toda a humanidade será transfigurada, divinizada, transformada... Concretamente o que temos feito para transformar a realidade atual?

3-A palavra de Deus na celebração:
A assembléia reunida que ora e canta, a palavra proclamada, a pessoa dos ministros/as, pão e vinho partilhados em ação de graças, na comunhão de irmãos revelam a presença do Ressuscitado entre nós. Participamos do mistério da transfiguração, escutando o Filho amado e recebendo dele a certeza da ressurreição que passa necessariamente pelo mistério da cruz assumida numa atitude de servo/as, até atingirmos plenamente nossa identidade de “filho/as da luz” na Transfiguração definitiva.

4-Dicas para a celebração:  O círio pascal aceso e incensado no início da celebração; a profissão de fé seguida pela bênção da água e aspersão lembrando o batismo. Durante a aspersão cantar um hino apropriado, como: “Banhados em Cristo somos u’a nova criatura/ As coisas antigas já se passaram/ somos nascidos de novo! Aleluia! Aleluia! Aleluia!” ; Oração Eucarística III com o prefácio próprio. Abraço da paz com  saudação: “Que a luz de Cristo resplandeça em você”!

M. do Carmo de Oliveira e Maria de Lourdes Zavarez

 

 

> 2 - Atualizando:    

> 3 - A palavra de Deus na celebração:    

> 4 - Dicas e Sugestões: