O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

DESTAQUES SEMANAIS

Vigésimo sexto domingo do T. C. Ano C - Domingo de Lázaro

25/09/2019

26º Domingo do Tempo do Discipulado e da Missão - C:

Domingo de LÁZARO

 

Lc 16,19-31

 

As conversas que Jesus vem tendo com os discípulos, a caminho de Jerusalém, foi não foi, são escutadas pelos fariseus, que “gozam” do que Jesus vem ensinando aos seus...

 

“Amigos do dinheiro”, acabam de ouvir o que Jesus pensa deles: “Vós gostais de parecer justos diante uns dos outros, mas Deus conhece os vossos corações”... (Lc 16,14s).

 

É nesse contexto que Jesus lhes conta a história do mendigo que aguardava as sobras do banquete do rico, enquanto os cães lhe lambiam as feridas...

 

Duas vidas, duas mortes, dois destinos, dois extremos... Durante muito tempo, essa lição serviu apenas para aquietar os miseráveis em seu sofrimento cotidiano, com a consoladora certeza do céu, onde receberiam em dobro tudo quanto lhes faltou nesta vida... Cada vez que um pobre reclamava seus direitos, era como se pobre estivesse pecando e não tivesse fé no “final feliz” prometido por Jesus...

 

O destinatário dessa mensagem, porém, era o rico, todos os ricos, a respeito dos quais, Jesus parece extremamente pessimista, basta ver o desfecho da conversa:

 

Jesus os avisa para que mudem, enquanto é tempo, seu modo de vida e abram o coração para a utopia do REINO, de um mundo justo, solidário e fraternal. Para tanto, contam com os alertas de “Moisés e dos Profetas”... Mas, “mesmo se alguém ressuscitar do mortos, não acreditarão!”...

 

A qualidade profética de nossa pastoral e das nossas celebrações, do nosso canto, está em questão: Têm servido para fortalecer a cidadania dos pobres e excluídos e questionar a injustiça e a tirania dos ricos e poderosos?...

Que não seja necessário alguém vir acusar-nos de uma religião que “é ópio do povo”!

 

Pense em tudo isso, ao escutar as notícias, ao ver o que anda acontecendo perto de você e com a maioria do povo deste país!

 

(4) Ofertório: Ao Senhor homenagem Sl 96

(Melodia: Com. dom. 11-14 A Hin III p. 252)

 

ao Senhor homenagem rendei-lhe,

rendei glória, a Ele o poder!

vinde ao templo trazer-lhe as ofertas

deste vosso, em Cristo, viver!

 

1. Um canto novo ao Senhor,

    Ó terras todas, cantai!

    Louvai seu nome bendito,

    Diariamente aclamai!

    Sua glória, seus grandes feitos,

    Aos povos todos contai!

 

2. Rendei a Deus homenagem,

    Rendei-lhe glória e poder,

    Rendei louvor a seu nome,

    E vinde ao templo trazer

    Presentes para ofertar-lhe,

    Sentindo a terra tremer!

 

3. Ele é o Senhor do universo

    E faz justiça a seu povo.

    Aos povos há de julgar,

    Reinando no mundo todo;

    Por isso, a Ele cantai,

    Ó terras, um canto novo!

 

(5) Comunhão O POBRE FOI CONDUZIDO

        Lc 16,22-23 +  Sl 112 (HIN III p. 287)

 

o pobre foi conduzido

pra junto de abraão,

os anjos foram seus guias,

o céu, o seu galardão!

o rico foi pro inferno,

foi grande a tribulação!

 

1.Feliz quem teme o Senhor

   E ama seus mandamentos!

   /:Seus filhos serão valentes,

   Benditos, seus descendentes!:/

 

2.Em casa, terá fartura,

   Será sempre dadivoso.

   /:Pra quem é bom, é luz forte,

   Bom, misericordioso!:/

 

3.Feliz quem empresta aos outros

   E com justiça se porta!

   /:Jamais há de tropeçar,

   Ninguém o esquecerá!:?

 

4.Não adianta ter raiva,

   Nem tramar qualquer vingança.

   /:Ao Pai, ao Filho, ao Amor

   Louvemos com canto e dança!:/

 

 

(1) Abertura: Senhor, tu tens razão

       Sl 125 + Dn 3,31-42 (Hin III p. 127)

 

Senhor, tu tens razão,

bem feito foi, bem feito foi,

pois contra ti pecamos!

mas pela tua honra,

misericórdia de nós agora,

a ti nós suplicamos!

 

1. Quem confia no Senhor

    É qual monte de Sião:

    Não tem medo, não se abala,

    ‘stá bem firme no seu chão!

 

2. As montanhas arrodeiam

    A feliz Jerusalém,

    O Senhor cerca seu povo

    Para não temer ninguém!

 

3. A mão dura dos malvados

    Não esmague as criaturas,

    Para os justos não mancharem

    Suas mãos em aventuras!

 

4. Venha a paz para o teu povo,

    O teu povo de Israel,

    Venha a paz para o teu povo,

    Pois tu és um Deus fiel!

 

(2) Salmo de resposta: Sl 146

               (HIN III p. 180s)

/:bendize, minh’alma e louva o senhor:/

 

O Senhor é fiel para sempre,

Faz justiça aos que são oprimidos;

- Ele dá alimento aos famintos,

  É o Senhor quem liberta os cativos!

 

O Senhor abre os olh0s aos cegos,

O Senhor faz erguer-se o caído;

- O Senhor ama aquele que é justo,

  É o Senhor que protege o estrangeiro!

 

Ele ampara a viúva e o órfão,

Mas confunde os caminhos dos maus.

- O Senhor reinará para sempre,

  Ó Sião, o teu Deus reinará!

 

(3) Aclamação: Aleluia

     (melodia do 27º Dom C: HIN III, p. 243)

 

aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! aleluia, aleluia, aleluia, aleluia!

 

Felizes, vocês, que agora têm fome,

Porque, saciados, um dia, serão!

Felizes, vocês! “Felizes”, seu nome,

Porque, saciados, felizes serão!

 

*

O Concílio Vaticano II

e a Bíblia

 

<<... o Sagrado Concílio exorta, de maneira insistente e particular, todos os fiéis (...) a que aprendam “a eminente ciência de Jesus Cristo” (Fl 3,8) com a leitura frequente das divinas Escrituras. “Desconhecimento das Escrituras é desconhecimento de Cristo” (São Jerônimo). De boa vontade tomem contato cm o próprio texto, quer através da sagrada liturgia, rica de palavras divinas, quer pela leitura espiritual, quer por meio de cursos apropriados e outros meios que nos tempos atuais se vão espalhando tão louvavelmente por toda parte, com a aprovação e estímulo dos Pastores da Igreja. Lembrem-se, porém, que a oração deve acompanhar a leitura da Sagrada Escritura, para que haja colóquio entre Deus e a pessoa humana; pois “com ele falamos quando rezamos, e a ele ouvimos quando lemos os divino oráculos” (Sano Ambrósio).

(1965 - Constituição Dogmática “Dei Verbum” sobre a Divina revelação, 25)

 

O Mês Bíblico responde a este apelo dos nossos Pastores, 50 anos atrás.

 

Neste ano de 2019, tivemos a graça de estudar a 1a. Carta de JOÃO.

 

Como é que foi o interesse e a participação de cada um, de cada uma de nós?...

 

O que marcou mais e vai ficar por lembrança desse nosso encontro com DEUS, através das palavras desta Carta do Apóstolo João ?... 

 

A violência tem tomado conta do nosso país, do “Dia do Fogo” na Amazônia, ao fuzilamento da menina Ágatha, no Rio de Janeiro, na semana que passou... E os direitos da Classe Trabalhadora vão sendo destruídos por reformas e leis que só satisfazem às ambições da elite econômica, especialmente do sistema financeiro...

 

À luz das palavras da 1ª. Carta de João, como estamos encarando a conjuntura?...

Que esperança nos resta?... Que cabe a nós fazer pelo bem de nosso Povo?...

 

 

 

 

DOWNLOAD DO ARQUIVO →