O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

DESTAQUES SEMANAIS

QUARTO DOMINGO DA PÁSCOA - ANO C

12/05/2019

4º Domingo de Páscoa – C: Domingo do Bom Pastor

 

João 10,27-30

O 4º Domingo do Tempo Pascal nos traz, todo ano, um retrato falado d’Aquele que se apresenta a nós como “O Bom Pastor”!

Mas, cada ano, com um enfoque especial.

E o bom é que, em tempos de Papa Francis-co, o capítulo 10 do Evangelho de João adquire um novo brilho, pois o próprio Bispo de Roma, não somente o anuncia com auten-ticidade e insistência, como, sobretudo, o faz com toda a coerência dos seus ousados e repetidos gestos.

O melhor que poderá acontecer é ver toda a Igreja, a começar pelas catequistas, pe-los animadores e animadoras de Comunida-des, Movimentos e Pastorais, pelos Presbí-teros e Bispos, se converter, primeiro, para o encontro mais sincero e profundo com o Pastor do rebanho, que somos todos e todas. Em seguida, nós que temos como tarefa, acompanhar, em diferentes níveis, este mesmo rebanho, nos convertermos ao modelo de Pastor que é Jesus. Somente assim, nossa Igreja e seus animadores e animadoras, nos sentiremos discípulos missionários, discípulas missionárias, d’Aquele que cultivou apenas um poder, o de dar a vida: primeiro, no sentido de sacrificar-se pelas ovelhas; e, depois, no sentido de comunicar-lhes a vida em plenitude, a “vida eterna”!

Num mundo tão confuso e complexo, onde as forças da morte, de tantas maneiras e em tantos espaços, parecem, muitas vezes prevalecer, como é importante sentir a presença desse Pastor, sentirmo-nos conhecidos (as) pessoalmente por Ele, a quem o Pai nos confiou... Sabermos que se o seguimos, não estaremos perdidos (as), caminhamos no rumo da Vida, aconteça o que acontecer... Sabermos que aqueles e aquelas que conosco caminham, por nós animados (as), o Pai jamais permitirá que sejam arrancados (as) das mãos do Pastor que ele nos deu. Com essa fé, enfrentemos as conjunturas e lutemos pela transforma-ção das estruturas, onde quer que vivamos nosso dia a dia.

 

-  Apresentai-vos diante dele,

   Servi-o alegres, vinde, adorai!

 

2.Lembrai: o Amor é nosso Deus,

   Dele nós somos, Ele nos fez!

-  Somos seu povo, o seu rebanho,

   Ele, o pastor e nós, a grei!

 

3.Entrai no Templo agradecendo

   Seu santo Nome a bendizer!

- Todo bondade, o Eterno Amor,

   Misericórdia sempre há de ser!

 

(3) Aclamação: Aleluia, alegria!+Jo 10,14)

               (ODC Part II p.361)

 

aleluia! alegria, aleluia! aleluia! aleluia!

“Sou bom pastor, minhas ovelhas eu conheço,

Minhas ovelhas me conhecem”. Aleluia!

 

(4) Ofertório: Ofertamos ao Senhor

                       (Hin II, p. 273)

 

ofertamos ao Senhor um mundo novo,

o futuro do seu povo!

 

1.Ofertamos o povo que chora,

   Não vendo a aurora do mundo em mudança,

    E ofertamos a esperança

   Dos que descobrem a Ressurreição!

 

2.Ofertamos o povo que espera

    Por nova era de vida em plenitude

    E o que não tem quem o ajude

    A trocar morte por Ressurreição!

 

3.Ofertamos a meta e a procura,

    A luta dura entre o velho e o novo,

    A noite escura do povo

    E a madrugada da Ressurreição!

 

(5) Comunhão: Salmo 23     (Hin II p. 26)

 

Quem pelas ovelhas morreu,

ressuscitou  e  é  nosso bom pastor!

 

1.O Amor  é meu guia, o Amor  é meu pastor,

   A mim não falta nada e nada a mim faltou!

 

2.Em verdes pastagens, me leva a repousar,

   Me guia a águas calmas, minha vida a restaurar.

 

3.Por justos caminhos, só ele me conduz,

   E honra, assim, seu nome, seu nome, assim, reluz!

 

4.Se eu  for  caminhando  por vale bem escuro,

   Porque estais comigo, não temo, estou seguro!

 

5.É vosso bastão  e  é vosso bom cajado,

   Que me sustentarão, sim, e me darão amparo.

 

6.Forrais-me uma mesa. Inimigos a espreitar

   E me crismais a fronte, minha taça a transbordar.

 

7.Bondade fiel sempre v ai me acompanhar

   E na mansão do Amor para sempre vou morar!

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Em comunhão com o Bom Pastor, que tipo de cristãos e cristãs seremos?...

(1) Abertura: Salmo 33   (ODC Part. I, p. 49)

 

1.Gritem alegres ao Amor, ó justos,

   A Ele os retos devem, sim, louvar,

   /:Com a guitarra ao Amor celebrem,

   Com violões pra ele vão cantar!:/

 

   Um canto novo cantem para Ele,

   Toquem com arte e com vivacidade,

   /:Pois a Palavra do Amor é reta

   E sua obra, só fidelidade!:/

 

2.Ele a justiça e o direito ama

   De sua graça a terra está repleta,

   /: Pela Palavra do Eterno Amor,

   Foi feito o céu e todas as estrelas!:/

 

   Do mar as águas ele é quem represa

   E os oceanos ele é quem contém;

   /:Que a terra inteira o Amor respeite

   E os moradores deste chão também:/

 

3.O Amor falou e tudo aconteceu

   Mandou e tudo fez-se de repente;

   /:Ele desfaz as tramas das nações,

   Mas seu projeto dura eternamente!:/

 

   Feliz, ditosa, a nação que preza

   O Eterno Amor qual sua Divindade!

   /:Feliz o povo que o Amor Eterno

   Já escolheu pra ser a sua herdade!:/

 

4.De lá do céu ele contempla o mundo,

   E as consciências seu olhar alcança.

   /:Ele que plasma o coração das gentes

   Conhece a fundo todas suas façanhas:/

 

   Ao poderoso seu poder não salva,

   Nem o herói vai por si só safar-se;

   /:Para salvar as armas nada valem

   E seu poder não basta pra salvar-se:/

 

5.O Amor vela por quem o respeita,

   Por quem espera pelo seu favor,

   /:Para livrar da morte sua vida

   E alimentá-lo em tempo de horror:/

 

   Por ele, o Amor, os corações anseiam,

   É nosso auxílio e nossa proteção!

   /:E no seu nome é que nós confiamos,

   Nele se alegra o nosso coração!:/

 

   A tua graça, sobre nós, ó Amor,

   Tal como está em ti nossa esperança!

   /:Ao Pai, ao Filho e ao Divino Amor

   Todo o louvor e toda a confiança!:/

 

(2) Salmo de resposta: Salmo 100

                    (ODC Part. I. p. 119)

somos seu povo e seu rebanho,

ovelhas que ele conduz!

 

1.Ó moradores de toda a terra,

   O Amor Eterno, vinde, aclamai!

Por um LEVANTE ÉTICO: a hora e a vez da

OBJEÇÃO DE CONSCIÊRNCIA

 

                           Chico Whitaker

(C.W. É um dos organizadores do Fórum Social Mundial, secretário-executivo da Comissão Brasileira de Justiça a Paz da CNBB e ex-vereador pelo PT de São Paulo por dois mandatos)

 

Pode-se vislumbrar a sociedade que querem, mas a destruição está em pleno curso – por detrás de trapalhadas para o circo – atingindo direitos, normas e políticas que construímos duramente, como sociedade, ao longo de muitos anos. Ataca-se a soberania nacional, os recursos naturais e os equipamentos coletivos (“venham para o Brasil, estamos vendendo tudo”).

A intolerância, o ódio e a violência agridem a solidariedade humana e a cultura de paz e de diálogo. A mentira usada na campanha eleitoral procura agora desarticular estruturas e processos educativos construídos para o crescimento da consciência cidadã e a formação para todos. Legislações e ações de governo agravam o sofrimento dos mais pobres. Muitos já identi-ficam no que ouvem do Presidente e seu entorno desvios militarizantes que levarão a enfrentamentos de civis armados.

Mas essa destruição só poderá se completar se houver pessoas que assinem documentos, votem nos parlamentos, escrevam textos e portarias, executem ordens, apoiem orientações e decisões, silenciem, reprimam, deem tiros, torturem. Nada anda e nada se faz sem intervenções humanas, ainda que seja para apertar um botão (ou um gatilho).

Ora, o que caracteriza os seres humanos é sua consciência. Por isso podem se recusar a atos contra seus princípios e valores ou suas convicções religiosas. O direito à objeção de consciência já está consolidado em muitos países. (...). Cinquenta e sete milhões de pessoas escolheram Bolsonaro, mas 89 milhões votaram em seu oponente, se abstiveram ou votaram branco e nulo. Se a eles agregarmos os que o elegeram, mas já estão se arrependendo, poderemos erguer, com todos que não queiram ser cúmplices da destruição, um muro de contenção à barbárie anunciada. Recusar ordens não é fácil. Pode-se perder o emprego, ser castigado. Mas talvez seja também a hora e a vez da solidariedade com os que sofram as consequências de atos de coragem. Empresas podem abrir vagas para objetores. Advogados podem assegurar defesas e juízes podem punir atos de força. Terapeutas e médicos podem abrir consultórios para tratar sequelas. Comunidades podem suprir necessidades materiais de perseguidos. Políticos podem se unir para resistir à destruição. De nossa reação pode surgir uma enorme força cívica nova, capaz de reconstruir o país segundo nossos reais valores.

Em boa hora a CNBB lançou sua Campanha da Fraternidade centrando-a nas políticas públicas e na superação da desigualdade social. Que os mais velhos inspirem os mais jovens no que pode vir a ser uma virada histórica.             

                Carta Capital, 26-03-2019.

 

 

 

João 10,27-30

O 4º Domingo do Tempo Pascal nos traz, todo ano, um retrato falado d’Aquele que se apresenta a nós como “O Bom Pastor”!

Mas, cada ano, com um enfoque especial.

E o bom é que, em tempos de Papa Francis-co, o capítulo 10 do Evangelho de João adquire um novo brilho, pois o próprio Bispo de Roma, não somente o anuncia com auten-ticidade e insistência, como, sobretudo, o faz com toda a coerência dos seus ousados e repetidos gestos.

O melhor que poderá acontecer é ver toda a Igreja, a começar pelas catequistas, pe-los animadores e animadoras de Comunida-des, Movimentos e Pastorais, pelos Presbí-teros e Bispos, se converter, primeiro, para o encontro mais sincero e profundo com o Pastor do rebanho, que somos todos e todas. Em seguida, nós que temos como tarefa, acompanhar, em diferentes níveis, este mesmo rebanho, nos convertermos ao modelo de Pastor que é Jesus. Somente assim, nossa Igreja e seus animadores e animadoras, nos sentiremos discípulos missionários, discípulas missionárias, d’Aquele que cultivou apenas um poder, o de dar a vida: primeiro, no sentido de sacrificar-se pelas ovelhas; e, depois, no sentido de comunicar-lhes a vida em plenitude, a “vida eterna”!

Num mundo tão confuso e complexo, onde as forças da morte, de tantas maneiras e em tantos espaços, parecem, muitas vezes prevalecer, como é importante sentir a presença desse Pastor, sentirmo-nos conhecidos (as) pessoalmente por Ele, a quem o Pai nos confiou... Sabermos que se o seguimos, não estaremos perdidos (as), caminhamos no rumo da Vida, aconteça o que acontecer... Sabermos que aqueles e aquelas que conosco caminham, por nós animados (as), o Pai jamais permitirá que sejam arrancados (as) das mãos do Pastor que ele nos deu. Com essa fé, enfrentemos as conjunturas e lutemos pela transforma-ção das estruturas, onde quer que vivamos nosso dia a dia.

 

-  Apresentai-vos diante dele,

   Servi-o alegres, vinde, adorai!

 

2.Lembrai: o Amor é nosso Deus,

   Dele nós somos, Ele nos fez!

-  Somos seu povo, o seu rebanho,

   Ele, o pastor e nós, a grei!

 

3.Entrai no Templo agradecendo

   Seu santo Nome a bendizer!

- Todo bondade, o Eterno Amor,

   Misericórdia sempre há de ser!

 

(3) Aclamação: Aleluia, alegria!+Jo 10,14)

               (ODC Part II p.361)

 

aleluia! alegria, aleluia! aleluia! aleluia!

“Sou bom pastor, minhas ovelhas eu conheço,

Minhas ovelhas me conhecem”. Aleluia!

 

(4) Ofertório: Ofertamos ao Senhor

                       (Hin II, p. 273)

 

ofertamos ao Senhor um mundo novo,

o futuro do seu povo!

 

1.Ofertamos o povo que chora,

   Não vendo a aurora do mundo em mudança,

    E ofertamos a esperança

   Dos que descobrem a Ressurreição!

 

2.Ofertamos o povo que espera

    Por nova era de vida em plenitude

    E o que não tem quem o ajude

    A trocar morte por Ressurreição!

 

3.Ofertamos a meta e a procura,

    A luta dura entre o velho e o novo,

    A noite escura do povo

    E a madrugada da Ressurreição!

 

(5) Comunhão: Salmo 23     (Hin II p. 26)

 

Quem pelas ovelhas morreu,

ressuscitou  e  é  nosso bom pastor!

 

1.O Amor  é meu guia, o Amor  é meu pastor,

   A mim não falta nada e nada a mim faltou!

 

2.Em verdes pastagens, me leva a repousar,

   Me guia a águas calmas, minha vida a restaurar.

 

3.Por justos caminhos, só ele me conduz,

   E honra, assim, seu nome, seu nome, assim, reluz!

 

4.Se eu  for  caminhando  por vale bem escuro,

   Porque estais comigo, não temo, estou seguro!

 

5.É vosso bastão  e  é vosso bom cajado,

   Que me sustentarão, sim, e me darão amparo.

 

6.Forrais-me uma mesa. Inimigos a espreitar

   E me crismais a fronte, minha taça a transbordar.

 

7.Bondade fiel sempre v ai me acompanhar

   E na mansão do Amor para sempre vou morar!

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Em comunhão com o Bom Pastor, que tipo de cristãos e cristãs seremos?...

(1) Abertura: Salmo 33   (ODC Part. I, p. 49)

 

1.Gritem alegres ao Amor, ó justos,

   A Ele os retos devem, sim, louvar,

   /:Com a guitarra ao Amor celebrem,

   Com violões pra ele vão cantar!:/

 

   Um canto novo cantem para Ele,

   Toquem com arte e com vivacidade,

   /:Pois a Palavra do Amor é reta

   E sua obra, só fidelidade!:/

 

2.Ele a justiça e o direito ama

   De sua graça a terra está repleta,

   /: Pela Palavra do Eterno Amor,

   Foi feito o céu e todas as estrelas!:/

 

   Do mar as águas ele é quem represa

   E os oceanos ele é quem contém;

   /:Que a terra inteira o Amor respeite

   E os moradores deste chão também:/

 

3.O Amor falou e tudo aconteceu

   Mandou e tudo fez-se de repente;

   /:Ele desfaz as tramas das nações,

   Mas seu projeto dura eternamente!:/

 

   Feliz, ditosa, a nação que preza

   O Eterno Amor qual sua Divindade!

   /:Feliz o povo que o Amor Eterno

   Já escolheu pra ser a sua herdade!:/

 

4.De lá do céu ele contempla o mundo,

   E as consciências seu olhar alcança.

   /:Ele que plasma o coração das gentes

   Conhece a fundo todas suas façanhas:/

 

   Ao poderoso seu poder não salva,

   Nem o herói vai por si só safar-se;

   /:Para salvar as armas nada valem

   E seu poder não basta pra salvar-se:/

 

5.O Amor vela por quem o respeita,

   Por quem espera pelo seu favor,

   /:Para livrar da morte sua vida

   E alimentá-lo em tempo de horror:/

 

   Por ele, o Amor, os corações anseiam,

   É nosso auxílio e nossa proteção!

   /:E no seu nome é que nós confiamos,

   Nele se alegra o nosso coração!:/

 

   A tua graça, sobre nós, ó Amor,

   Tal como está em ti nossa esperança!

   /:Ao Pai, ao Filho e ao Divino Amor

   Todo o louvor e toda a confiança!:/

 

(2) Salmo de resposta: Salmo 100

                    (ODC Part. I. p. 119)

somos seu povo e seu rebanho,

ovelhas que ele conduz!

 

1.Ó moradores de toda a terra,

   O Amor Eterno, vinde, aclamai!

Por um LEVANTE ÉTICO: a hora e a vez da

OBJEÇÃO DE CONSCIÊRNCIA

 

                           Chico Whitaker

(C.W. É um dos organizadores do Fórum Social Mundial, secretário-executivo da Comissão Brasileira de Justiça a Paz da CNBB e ex-vereador pelo PT de São Paulo por dois mandatos)

 

Pode-se vislumbrar a sociedade que querem, mas a destruição está em pleno curso – por detrás de trapalhadas para o circo – atingindo direitos, normas e políticas que construímos duramente, como sociedade, ao longo de muitos anos. Ataca-se a soberania nacional, os recursos naturais e os equipamentos coletivos (“venham para o Brasil, estamos vendendo tudo”).

A intolerância, o ódio e a violência agridem a solidariedade humana e a cultura de paz e de diálogo. A mentira usada na campanha eleitoral procura agora desarticular estruturas e processos educativos construídos para o crescimento da consciência cidadã e a formação para todos. Legislações e ações de governo agravam o sofrimento dos mais pobres. Muitos já identi-ficam no que ouvem do Presidente e seu entorno desvios militarizantes que levarão a enfrentamentos de civis armados.

Mas essa destruição só poderá se completar se houver pessoas que assinem documentos, votem nos parlamentos, escrevam textos e portarias, executem ordens, apoiem orientações e decisões, silenciem, reprimam, deem tiros, torturem. Nada anda e nada se faz sem intervenções humanas, ainda que seja para apertar um botão (ou um gatilho).

Ora, o que caracteriza os seres humanos é sua consciência. Por isso podem se recusar a atos contra seus princípios e valores ou suas convicções religiosas. O direito à objeção de consciência já está consolidado em muitos países. (...). Cinquenta e sete milhões de pessoas escolheram Bolsonaro, mas 89 milhões votaram em seu oponente, se abstiveram ou votaram branco e nulo. Se a eles agregarmos os que o elegeram, mas já estão se arrependendo, poderemos erguer, com todos que não queiram ser cúmplices da destruição, um muro de contenção à barbárie anunciada. Recusar ordens não é fácil. Pode-se perder o emprego, ser castigado. Mas talvez seja também a hora e a vez da solidariedade com os que sofram as consequências de atos de coragem. Empresas podem abrir vagas para objetores. Advogados podem assegurar defesas e juízes podem punir atos de força. Terapeutas e médicos podem abrir consultórios para tratar sequelas. Comunidades podem suprir necessidades materiais de perseguidos. Políticos podem se unir para resistir à destruição. De nossa reação pode surgir uma enorme força cívica nova, capaz de reconstruir o país segundo nossos reais valores.

Em boa hora a CNBB lançou sua Campanha da Fraternidade centrando-a nas políticas públicas e na superação da desigualdade social. Que os mais velhos inspirem os mais jovens no que pode vir a ser uma virada histórica.             

                Carta Capital, 26-03-2019.

 

 

DOWNLOAD DO ARQUIVO →