O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

DESTAQUES SEMANAIS

DOMINGO DO DIVINO PERDÃO

16/09/2017

~~24º Domingo do Tempo do discipulado e da Missão - A:
DOMINGO DO DIVINO PERDÃO

Mt 18,21-35
Quem ama não faz contas, não cobra dívidas, não “passa na cara”. Quem ama perdoa, só e sempre. E é uma questão, antes de tudo, de bom senso. É só olhar-se no espelho da própria consciência. Afinal, somos farinha do mesmo saco, bonecos do mesmo barro.
Se há em nós um sopro de vida, alguma inspiração para o bem, é coisa de Deus, dom do seu gratuito amor.
Ele, primeiramente, é aquele que não se cansa de nos perdoar, de nos dar a mão, de repetir o “levanta-te e anda!”, todos os dias.
Esse jeito divino de ser é o milagre maior, que tem de multiplicar-se através de nossas atitudes e gestos cotidianos de compreensão, misericórdia e perdão.
Menos do que isso é a “lei da selva”, a insensatez de uma convivência estressante, insuportável.
Não é por nada que nosso encontro com o Ressuscitado começa com um momento de revisão de vida, um pedido de perdão, um canto de arrependimento e de confiança na divina misericórdia, que nos perdoa “assim como nós perdoamos”.

Uma das coisa que enfraquece a organização e a luta dos oprimidos e excluídos é incapacidade de compreender e perdoar... Somos muito rápidos em apontar erros, e muito exigentes em cobrar, e cobramos “pelo pé”... Nossa preocupação imediata não é ajudar o outro, a outra, a se perceber, a entender melhor as coisas, a encontrar o caminho de volta... Com a nossa pretensão de “justiça” e “verdade”, empurramos o outro, a outra, para o abismo, perdemos companheiros e companheiras, dividimos o grupo, a comunidade, enfraquecemos a luta... E não faltará quem ache bom e tire partido...

(3) Aclamação: ALELUIA! + João 13,34
    (HIN III A, p.206)

ALELUIA! ALELUIA! ALELUIA!
ALELUIA! ALELUIA! ALELUIA!

Eu lhes dou este novo mandamento,
Nova ordem, agora, eu lhes dou,
Que se amem vocês, mutuamente,
Com eu os amei, diz o Senhor!

(4) Ofertório: Neste pão e neste vinho
(HIN III p. 294)
NESTE PÃO E NESTE VINHO,
O SUOR DE NOSSAS MÃOS,
O TRABALHO E A JUSTIÇA
PARA TODOS OS IRMÃOS!

1. Ofertamos, ó Senhor, os sofrimentos
    Dos pequenos e dos pobres, teus amados,
    Dos que lutam à procura de trabalho,
    Das crianças e anciãos abandonados.

2. Ofertamos a firmeza e a coragem
    Dos que lutam, em favor dos oprimidos,
    Dos famintos e sedentos de justiça
    E que são por tua causa perseguidos!

3. Ofertamos, ó Senhor, toda a certeza
    Na vitória do amor sobre o pecado...
    Tua luz há de brilhar, vencendo a treva,
    Sobre o mundo convertido e renovado!

(5) Comunhão: Sl 103 + Mt 16,27
               (HIN III A, p. 208)

MEU PAI NÃO VAI PERDOAR JAMAIS,
MEU PAI NÃO PERDOA, NÃO!
SE A SEUIRMÃO VOCÊ VAI NEGAR
O SEU SINCERO PERDÃO,
/:SE OCORAÇÃOVOCÊ VAI FECHAR,
E NÃO PERDOA O IRMÃO!:/

1.Bendiz, minh’alma, o Senhor,
Seu nome seja louvado!
Minh’alma louve o Senhor,
Por tudo que me tem dado!
/:Me cura as enfermidades
E me perdoa os pecados!:/

2.Me tira da triste morte,
Me dá carinho e amor...
Com sua misericórdia
Do abismo ele me tirou,
E, como se eu fosse águia,
Vem renovar meu vigor!

3.Consegue fazer justiça
A todos os oprimidos...
Guiou Moisés no deserto,
A Israel escolhido...
Tem pena, tem compaixão
E não se sente ofendido! (1) Abertura:DEUS NOSSO PAI
                            (HIN III A, p. 204)
DEUS, NOSSO PAI PROTETOR,
DÁ-NOS, HOJE, UM SINAL DE TUA GRAÇA!
POR TEU UNGIDO, Ó SENHOR,
ESTEJAMOS PRA SEMPRE EM TUA CASA!

1.Ó Senhor põe teu ouvido
   Bem aqui pra me escutar,
   Infeliz eu sou e pobre
   Vem depressa me ajudar!
   Teu amigo eu sou, tu sabes,
   Só em ti vou confiar!

2.Compaixão de mim, Senhor,
   Eu te chamo, noite e dia...
   Vem me dar força e coragem
   E aumentar minha alegria;
   Eu te faço minha prece,
   Pois minh’alma em ti confia.

3.Tu és bom e compassivo
   E a quem pede dás perdão
   Dá ouvido a meus pedidos:
   Meu lamento é oração...
   Na hora amarga eu te procuro,
   Sei que não te chamo em vão!

4.Não existe nenhum deus
   Para contigo se igualar,
   Nem no mundo existe nada
   Que se possa comparar
   Às belezas que na terra
   Teu amor soube criar!

(2) Salmo de resposta: Salmo 102
                         (HIN III A, p.205)
O SENHORÉ BONDOSO, COMPASSIVO,
E CARINHOSO!

Bendize, ó minh’alma, ao Senhor,
e todo o meu serseu santo nome!
- Bendize, ó minh’alma, ao Senhor,
não te esqueças de nenhum dos seus favores!

Pois ele perdoa toda culpa,
e cura toda a tua enfermidade;
- da sepultura ele salva a tua vida
  e te cerca de carinho e compaixão.

Não ficarepetindo as suas queixas,
nem guardaeternamente o seu rancor...
- não nos tratacomoexigem nossa faltas,
nem nos pune em proporção de nossasculpas!

Quanto os céus por sobre a terra se elevam, tanto é grande o seu amor aos que o temem;
- quanto dista o nascente do poente,
  Tanto afasta para longe nossos crimes.
                                        * * * * *
Medite este salmo e veja como se poderia ser divinamente humano...
*

4.Não fica guardando mágoa
E é lento pra castigar...
É sempre cheio de amor
E gosta de perdoar...
Não usa de nossos erros
Pra vir de nós se vingar!

5.Distância da terra ao céu,
Medida do seu amor!
Distância poente ao nascente,
As nossas culpas vai pôr...
Qual pai que tem dó dos filhos,
De nós tem pena o Senhor!

6.Conhece nossa fraqueza,
Que somos como poeira...
A nossa vida é uma planta,
Um pobre erva rasteira...
O vento vem e a desfolha,
Já não se sabe onde era!

7.O amor de Deus aos que o temem
Se mostra em cada momento...
Também a sua justiça
Protege eternamente
A quem se apega à Aliança
E cumpre seus Mandamentos!

8.Firmou no céu o seu trono
E ao mundo vai dominar...
Seus anjos cantam sua glória
E fazem o que ele mandar...
Que a terra e todos os seres
Comigo venham louvar!

* * * * *
“QUEM NÃO PERDOA NÃO É CRISTÃO!”

Papa Francisco nos lembra: “O Senhor, o Pai é tão misericordioso que sempre nos perdoa, sempre quer fazer as pazes conosco". Mas "se tu não és misericordioso corres o risco de que o Senhor não seja misericordioso contigo, porque seremos julgados com a mesma medida com a qual nós julgamos os outros”.
No final da sua homilia, e tomando a leitura de São Paulo o Papa lembrou que é necessário revestir-se de "sentimentos de ternura, bondade, humildade, mansidão e paciência". Este, disse Francisco, "é o estilo cristão", "o estilo com o qual Jesus fez a paz e a reconciliação". "Não é o orgulho, não é a condenação, não é falar mal dos outros".
Que o Senhor, concluiu, "nos conceda a todos nós a graça de nos suportarmos uns aos outros, de perdoar, de sermos misericordiosos, como o Senhor é misericordioso para conosco".
 

 

 

DOWNLOAD DO ARQUIVO →