O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

DESTAQUES SEMANAIS

Jesus acalma a tempestade

19/06/2021

O EVANGELHO

"VIVERMOS EM PAZ UNS COM OS OUTROS" (Mc 9,50c)

« REFLEXÕES LITÚRGICAS de Pe Gilvan

Castillo, José Maria »

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCANA

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS PARA A LITURGIA DOMINICAL

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS

LITURGIA DOMINICAL – ANO B

 

12º Domingo do Tempo Comum
Dia: 20 de junho de 2021
Primeira Leitura: Jó 38,1.8-11
Salmo: 107/106,23-24.25-26.28-29.30-31
Segunda Leitura: 2Cor 5,14-17
Evangelho: Mc 4,35-41

 

No início da perícope Marcos se preocupou em criar uma ligação com a cena anterior da grande pregação no lago. A barca com a qual Jesus atravessa o lago é a mesma que havia lhe havia servido de púlpito. As outras barcas presentes não serão mais mencionadas. A tarde que termina (escuridão que chega) funciona como pano de fundo eficaz ao relato.

O milagre da tempestade acalmada evoca a luta primordial de Deus contra o oceano, concebido no Antigo Testamento como aquele que devorava os seres humanos, submergindo-os no abismo. Somente Deus pôde domá-lo com a sua onipotência quando criou o mundo. Por isso a primeira leitura traz o discurso que o Senhor faz a Jó.

O relato apresenta numerosas afinidades com a história de Jonas e relaciona-se com salvações milagrosas proclamadas no Sl 106. Na descrição é recorrente o motivo do poder do Senhor sobre ondas, tempestades e sobre o mar, repetidamente descrito e celebrado no Antigo Testamento. Domina a ideia que Deus salva da angústia: “Na sua angústia invocaram o Senhor, e Ele salvou-os da aflição. Transformou o temporal em brisa suave, e as ondas do mar amainaram” (Sl 106,28).

Literariamente a perícope tem afinidades com o relato do primeiro exorcismo operado por Jesus na sinagoga de Cafarnaum (1,21-28). Os elementos, vento e água, se rebelam. Jesus ordena que se acalmem e eles obedecem. Temos aqui um autêntico exorcismo sobre as forças “diabólicas” do vento e do mar.

O episódio assume um forte sentido cristológico: Jesus será submerso na tempestade da Paixão, a sua morte é aqui simbolizada pelo sono. A tempestade acalmada preludiava sua vitória sobre a morte. Cristo ressuscitado salva a humanidade das jornadas de abismo, doando a vida eterna.

Com a tempestade, descrita em detalhes, a barca é ameaçada de afundar. Em contraste com tudo isso, Jesus dorme na popa do barco. Seu sono é expressão da sua soberania e segurança. Contrariamente a Jesus, os discípulos estão excitados e o acordam com uma imprecação.

Além do acentuado caráter cristológico, percebe-se no relato uma intenção eclesiológica. A repreensão pela falta de fé dirigida por Jesus aos discípulos que estavam com ele na barca é endereçada pelo evangelista aos cristãos da sua comunidade desacorçoados no seu amor a Cristo. Note-se que a repreensão de Jesus no v.40: “Por que tendes medo? Ainda não tendes fé?” soa como resposta à repreensão que os discípulos haviam dirigido a ele anteriormente (v. 38): “Mestre, não te importa que pereçamos?”

Com os vers. 39-41 chega-se à culminação do drama. Jesus não reage ainda à bronca dos discípulos, mas pronuncia a palavra milagrosa. Aqui a tempestade e o mar são interpelados como seres viventes e lhes é ordenado de acalmarem-se.

É importante observar que a autoridade atribuída no Antigo Testamento a Javé (a prerrogativa de aplacar as tempestades era exclusiva do Criador), é concedida a Jesus, o qual não faz acontecer o prodígio por meio de uma oração, mas pela plenitude do seu poder. Somente depois de haver completado o milagre Jesus se dirige aos discípulos. Lamentando-se pela sua pusilanimidade e incredulidade. Onde está, então, a verdadeira falha dos discípulos? O seu erro consiste em pensar somente em si e não estarem prontos a partilhar os perigos entre eles e Jesus. A situação se repetira na sua fuga da Cruz. No comportamento de Pedro em Mc 8, 32s se exprime o mesmo espírito.

Os discípulos descritos por Marcos tornam-se um exemplo de advertência para a comunidade não cair não mesma incredulidade.

A incredulidade inicia onde os cristãos, por pusilanimidade e medo, não estão disponíveis a assumir os perigos junto com Jesus e com as outras pessoas. Quem crê segue Jesus na obscuridade do sofrimento. Assim, pode também esperar em comunhão com a Igreja.

 

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     estef@estef.edu.br    facebook.com/estef

Fone: 51-32 17 45 67     Whats: 51-991 07 26 40

 

 

         

 

DOWNLOAD DO ARQUIVO →