O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

DESTAQUES SEMANAIS

Papa defende vacina anti-Covid acessível a todos.

20/08/2020

PAPA FRANCISCO

 

Papa defende vacina anti-Covid acessível a todos

Palavras do Papa encontram ressonância em vários organismos e iniciativas, a começar pela Organização Mundial da Saúde. A Itália e a União Europeia abraçam as palavras do Papa Francisco com os fatos. Os investimentos públicos "irão garantir que esta vacina possa ser distribuída a todos, não apenas aos europeus", afirma Walter Ricciardi, professor de Higiene da Universidade Católica de Roma e assessor do ministro da Saúde italiano. “Haverá quantidades significativas de doses que serão dadas aos países mais pobres, a começar pela África”.

Amedeo Lomonaco - Vatican News

Na terceira Audiência Geral dedicada à pandemia, o Papa Francisco afirmou que seria triste se uma vacina contra a Covi-19 fosse dada a prioridade aos ricos e que a assistência econômica com dinheiro público deveria ser dada a indústrias que observam quatro critérios:

“Seria triste se essa vacina contra a Covid-19 fosse dada a prioridade aos mais ricos! Seria triste se esta vacina se tornasse propriedade desta ou daquela nação e não universal para todos. E que escândalo seria se toda a assistência econômica que estamos a observar - a maior parte dela com dinheiro público - se concentrasse no resgate das indústrias que não contribuem para a inclusão dos excluídos, para a promoção dos últimos, para o bem comum ou para o cuidado da criação.  São critérios para escolher quais são as indústrias a serem ajudadas: aquelas que contribuem para a inclusão dos excluídos, para a promoção dos últimos, para o bem comum e com o cuidado da criação. Quatro critérios!”

 

OMS: não aos nacionalismos

Na qualidade de órgão supranacional, a Organização Mundial da Saúde (OMS) está em sintonia com as convicções do Pontífice, como reiterado no encontro de terça-feira, 19, com os jornalistas, e na carta com a qual o Diretor-Geral entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, claramente exorta os países membros a "prevenir o nacionalismo da vacina".

Por esta razão, afirmou Ghebreyesus, a OMS "está trabalhando com os governos e o setor privado, quer para acelerar a pesquisa científica com o ACT-Accelerator, quer para garantir que as novas inovações estejam disponíveis para todos, em qualquer lugar, a começar por aqueles com maior risco".

Pouco antes, recordando o trabalho realizado pela agência, o diretor havia constatado a presença do problema ainda nos últimos meses, quando o surto do coronavírus desencadeara "uma onda enorme de pedidos de equipamentos de proteção individual". “Alguns países - observou Ghebreyesus - implementaram restrições à exportação e houve diversos casos de requisição de suprimentos médicos essenciais para uso nacional”. Em essência, é sua análise, "o nacionalismo de fornecimentos exacerbou a pandemia e contribuiu para o fracasso total da cadeia de suprimentos" em escala global.

Pesquisa mundial em busca da vacina

 

Depois daquela da Rússia, produzida pelo Instituto Gamaleya, também a China registrou em tempo recorde sua primeira vacina contra a pandemia Covid-19. Do outro lado do mundo, o governo brasileiro autorizou o teste de uma vacina anti-Covid desenvolvida por um laboratório estadunidense. O governo australiano também anunciou que quer tornar obrigatória a vacina contra a Covid-19, após a assinatura de um acordo com a empresa anglo-sueca AstraZeneca, para adquirir o medicamento em desenvolvimento nos laboratórios de pesquisa da Universidade de Oxford.

 

Ricciardi: objetivo principal é a pessoa, não o lucro

 

A Itália e a União Europeia abraçam as palavras do Papa Francisco com os fatos: “O que realizamos é uma aliança sobretudo entre Itália, França, Alemanha e Holanda para fazer da vacina um bem comum a ser dado a todos”.

Quem destaca isso esse aspecto é Walter Ricciardi, professor de Higiene da Universidade Católica de Roma e assessor do ministro da Saúde italiano, acrescentando que o primeiro contrato mais avançado ligado à vacina, assinado pela Comissão Europeia na semana passada, "vai nessa direção". Os investimentos públicos "irão garantir que esta vacina possa ser distribuída a todos, não apenas aos europeus".  “Haverá quantidades significativas de doses que serão dadas aos países mais pobres, a começar pela África”.

Sobre os critérios indicados pelo Papa na escolha das indústrias, o professor Ricciardi destaca que esta visão é acertada, "sobretudo em um momento pós Covid". A pandemia – explica ele - demonstrou “toda a fragilidade do modelo de desenvolvimento econômico baseado exclusivamente no lucro, na exploração dos mais pobres e na exploração dos trabalhadores de baixo custo”. Em vez disso, devemos "visar à centralidade da pessoa".

Para Ricciardi, não se trata de "uma utopia", mas da "única possibilidade para garantir um modelo de desenvolvimento que preserva simultaneamente as pessoas e o meio ambiente em que vivemos". É preciso, no entanto, recordar que alguns países seguem "o caminho comercial", uma via que fortalece exclusivamente "a possibilidade de enriquecer-se com a vacina" e garantindo-a somente aos povos "que podem pagar". Este, conclui, “não é o caminho que a Europa irá seguir”.

 

Cooperação internacional e solidariedade

 

Aquele indicado pelo Papa, portanto, é um caminho que não prevê distinções, como também sublinhou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em recente entrevista ao Osservatore Romano e ao Vatican News. “Esse vírus - declarou ela - mostra como o mundo está interligado. Encontramo-nos diante de uma pandemia global e a única maneira de derrotar o vírus é por meio da cooperação e da solidariedade internacional”.

 

Uma vacina para todos

 

Em outra recente entrevista aos meios de comunicação vaticanos, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, destacou que “a pandemia deve ser um sinal de alerta. As ameaças globais mortais exigem uma nova unidade e solidariedade ”.

"Em um mundo interligado - afirmou ele - ninguém está seguro até que todos estejam seguros. Foi esta, em resumo, a essência da minha mensagem no lançamento do ACT-Accelerator, ou seja, a colaboração global para acelerar o desenvolvimento, a produção e igualdade de acesso a novos diagnósticos, tratamentos e vacinas para Covid-19. Deve ser visto como um bem público. Não uma vacina ou tratamento para um país ou região ou metade do mundo - mas uma vacina e um tratamento que são acessíveis, seguros, eficazes, facilmente administrados e universalmente disponíveis para todos, em todos os lugares. Esta vacina deve ser a vacina das pessoas."

 

DOWNLOAD DO ARQUIVO →