O mistério na vida... Circulando, fluindo... nos elementos, nas estações. Palavra que brota, agir que floresce... A luz pascal que incendeia a festa da existência. A soma dos "ires-e-vires", de homens e mulheres que celebram, se encantam, e se enredam, no cuidado com o mundo, na busca do Reino.

DESTAQUES SEMANAIS

SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ - ANO NOVO, VIDA NOVA para todas as Famílias!

29/12/2019

Festa da Sagrada Família – A

Mt 2,13-15.19-23

Uma família pobre às voltas com uma conjuntura política adversa, obrigada a migrar, ameaçada que estava pelo poder opressor. Essa é a originalidade do projeto de salvação que Jesus veio realizar: nada a ver com os privilégios de uma sociedade que exclui e mata. Tudo a ver com os excluídos e massacrados.

Uma pergunta: As famílias pobres, os filhos e filhas da Classe Trabalhadora têm consciência das situações de opressão e exclusão a que são submetidos pelo sistema capitalista na sua fase mais cruel, a atual globalização econômica neoliberal?...

Os pobres, os Trabalhadores e Trabalhadoras, que têm tido a oportunidade de cultivar a Fé Cristã, estão sendo evangelizados na consciência de ter em José e Maria, e, sobretudo, em Jesus, companheiros de caminhada, solidários com suas dificuldades e carências, e inspiradores de uma fé, que “não costuma faiá”?... A gente crê no Deus que está conosco pro que der e vier, e, portanto, sustenta nossa resistência e nossa luta contra toda opressão e exclusão, toda injustiça, desigualdade e violência?...

Por outro lado, quanto é importante para todas as famílias, mas, especialmente para as famílias do povo oprimido, de olho na Sagrada Família de Nazaré, ouvir os conselhos do sábio do Primeiro Testamento (Eclesiástico 3,2-7,14-17ª – 1ª. leitura) e do Apóstolo Paulo (Carta aos Colossenses 3,12-21). Pais, mães, filhos e filhas, irmãos e irmãs, todo mundo têm a ganhar com uma vida de família harmônica e digna, onde respeito e cuidado, carinho e ternura, iluminados e animados pela fé, preparam as pessoas para os embates do cotidiano e para as lutas contra toda adversidade.

Que beleza vê-los, em família, ou em comunidade, “movidos pela graça”, cantando “a Deus”, em seus “corações, com salmos, hinos e cânticos inspirados pelo Espírito”!

*

*

*

para o nosso bem!

Tocam os sinos,

Anjos a cantar também:

 

oh! vinde, adoremos!

oh! vinde, adoremos!

oh! vinde, adoremos

o salvador!

 

2.Oh! Vinde, saudemos

Cristo nosso irmão!

Nasceu pequenino,

deu-nos a lição:

Vinde aprendamos

a compartilhar o pão!

 

3.Oh! Vinde, cantemos,

Anjos e Pastores,

Humildes e sábios,

bons e pecadores,

Todos iguais,

encontramos nele a Paz!

 

4.Oh! Vinde, lutemos,

finde a exclusão,

Salvemos com Cristo

pela união!

Cresça o amor,

cesse o sofrimento, a dor!

 

(5) Comunhão: - LEVANTA-TE, JOSÉ!

(Letra: Eurivaldo Ferreira - Música: Daniel De Angeles - caderno: O Mistério em Canto!)

 

levanta-te, José!

pega o menino e sua mãe         (Mt 2,13)

e vai pras terras do Egito.

que venhas de lá quando eu te avisar!

que venhas de lá quando eu te avisar!

 

1. A fúria dos impérios não suporta

Do Deus que salva, a manifestação.

E manda flagelar os inocentes,

Aos céus sobem seus gritos de aflição.

 

2. Tão grande é o lamento, a dor e o pranto

Por isso o inocente é arrasado.

Quem chora os seus filhos, os seus santos

Terá em Deus consolo esperado.

 

3. Por causa do Menino, esses meninos

Sofreram as agruras da maldade.

Mas com a graça de tal nascimento

Alcançam já de Deus a amizade.

 

4. Ó Deus, são muitos choros e lamentos,

Que hoje presenciamos na história,

Ó, vinde transformar o sofrimento

Daqueles que por vós clamam vitória.

 

5. Roguemos a Deus Pai a proteção,

Pois a Jesus deu um seguro abrigo.

Que ele possa ouvir nossa oração:

Livrai a nossa vida dos perigos

(1) Abertura: Salmo 68,2-7

 (Melo O Espírito do Senhor” Hin II, p. 46 – a antífona completa, canta-se apenas no início e no final):

 

deus em sua santa morada

dos sem vez se recordou,

e aos marginalizados

numa casa ele abrigou!

/:aleluia! aleluia! aleluia! aleluia!:/

 

1. Levanta-se Deus, cadê os inimigos?!...

Na sua presença, fugindo, os iníquos!

- São como fumaça que desaparece,

São cera no fogo que logo derrete!

/:aleluia! aleluia! aleluia! aleluia!:/

 

2. Os justos exultem diante de Deus,

Ao nome de Deus cantai, filhos seus!

- Abri-lhe o caminho, dos céus cavaleiro,

Seu nome é AMOR, vibrai, companheiros!

/:aleluia! aleluia! aleluia! aleluia!:/

 

3. Dos órfãos é Pai, defende as viúvas

Em sua morada, assim deles cuida:

- Quem ‘stava sozinho, família encontrou,

Quem ‘stava oprimido, tua mão libertou!

/:aleluia! aleluia! aleluia! aleluia!:/

 

(2) Salmo de resposta: Sl 128

              (P. J. Weber – Hin I, p. 31)

felizes os que temem ao senhor

e trilham os seus caminhos!

 

1.Feliz és tu, se temes o Senhor

e trilhas seus caminhos!

Do trabalho de tuas mãos hás de comer,

Serás feliz, tudo irá bem!

 

2.A tua esposa é uma videira bem fecunda

no coração de tua casa;

os teus filhos são rebentos de oliveira

ao redor de tua mesa!

 

3.Será assim abençoado todo homem

que teme o Senhor.

O Senhor te abençoe de Sião,

cada dia de tua vida!

 

(3) Aclamação:  ALELUIA + cf. Cl 3,15-16  

                  (a mesma melodia do Natal)

/:aleluia! aleluiá! aleluia! aleluiá:/

Reine a paz de Cristo em vós,

Dentro em vossos corações!

/:aleluia! aleluiá! aleluia! aleluiá:/

A Palavra de Cristo, em vós,

Louvem vossos corações!

 

(4) Ofertório: OH! VINDE ADOREMOS      

(L.: R. Veloso - M.: “Cristãos, vinde todos” Hin I p. 65)

 

1.Oh! Vinde, andemos,

vamos a Belém,

Nasceu um Menino

Do Papa FRANCISCO para as FAMÍLIAS de hoje:

<<De fato, a graça do sacramento do matrimónio destina-se, antes de mais nada, « a aperfeiçoar o amor dos cônjuges». Também aqui é verdade que, « ainda que eu tenha tão grande fé que transporte montanhas, se não tiver amor, nada sou. Ainda que eu distribua todos os meus bens e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor de nada me vale » (1 Cor 13, 2-3). Mas a palavra « amor», uma das mais usadas, muitas vezes aparece desfigurada.

                O nosso amor quotidiano

90. No chamado “Hino à Caridade” escrito por São Paulo, vemos algumas características do amor verdadeiro:  «O amor é paciente, o amor é prestável; não é invejoso, não é arrogante nem orgulhoso, nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se irrita, nem guarda ressentimento, não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta » (1 Cor 13, 4-7).

Isto pratica-se e cultiva-se na vida que os esposos partilham dia-a-dia entre si e com os seus filhos. Por isso, vale a pena deter-se a esclarecer o significado das expressões deste texto, tendo em vista uma aplicação à existência concreta de cada família.

Paciência

91. (... ...) Uma pessoa mostra-se paciente, quando não se deixa levar pelos impulsos interiores e evita agredir. A paciência é uma qualidade do Deus da Aliança, que convida a imitá-Lo também na vida familiar. (... ...) A paciência de Deus é exercício da misericórdia de Deus para com o pecador e manifesta o verdadeiro poder.

92. Ter paciência não é deixar que nos maltratem permanentemente, nem tolerar agressões físicas, ou permitir que nos tratem como objetos. O problema surge quando exigimos que as relações sejam idílicas, ou que as pessoas sejam perfeitas, ou quando nos colocamos no centro esperando que se cumpra unicamente a nossa vontade. Então tudo nos impacienta, tudo nos leva a reagir com agressividade. Se não cultivarmos a paciência, sempre acharemos desculpas para responder com ira, acabando por nos tornarmos pessoas que não sabem conviver, antissociais incapazes de dominar os impulsos, e a família tornar-se-á um campo de batalha.” Por isso, a Palavra de Deus exorta-nos: «Toda a espécie de azedume, raiva, ira, gritaria e injúria desapareça de vós, juntamente com toda a maldade » (Ef 4, 31). Esta paciência reforça-se quando reconheço que o outro, assim como é, também tem direito a viver comigo nesta terra. Não importa se é um estorvo para mim, se altera os meus planos, se me molesta com o seu modo de ser ou com as suas ideias, se não é em tudo como eu esperava. O amor possui sempre um sentido de profunda compaixão, que leva a aceitar o outro como parte deste mundo, mesmo quando age de modo diferente daquilo que eu desejaria.

(da Exortação Apostólica “A Alegria do Amor”)

 

Ao brilho da Estrela: ANO NOVO, VIDA NOVA para todas as Famílias!

 

DOWNLOAD DO ARQUIVO →